O problema de Jonas

O mestre e aquele que tentou acompanhá-lo
Ó Senhor Deus, eu não disse, antes de deixar "Casa Branca", que era isso mesmo que ias fazer? Foi por isso que fiz tudo para fugir para a Espanha! Eu sabia que és Deus que tem compaixão e misericórdia. Sabia que és sempre paciente e bondoso e que estás sempre pronto a mudar de ideia e não castigar. Jonas 4.2

Muito se especula acerca do ministério profético desse escolhido de Deus. Há quem pense ser ele uma referência àquilo que um profeta não deveria fazer e nem dizer. Mas não há com contradizer as Escrituras, pois são elas que o chamam de profeta. Não há nada debaixo desse sol que nos permita duvidar de suas palavras. Jonas era um profeta na concepção mais incisiva deste ofício.

Jonas não foi evasivo como Jeremias, o qual se agarrou no pretexto ser muito jovem para fugir do peso da responsabilidade. Jonas, na sua vocação, não se sentiu esmagado por estar na presença de Deus, posto que se apresentou diante dele sem estar possuído de um sentimento de culpa qualquer, assim como foi com Isaías. Jonas abraçou alegremente o causticante encargo da profecia, apesar de suas deficiências congênitas e adquiridas. De forma alguma as apresentou como subterfúgio para negar seu chamado, tal qual o velho Moisés assim o fizera.

Jonas era o profeta maduro, que surge pronto nas páginas da Bíblia, que não atenta contra o seu povo e nem lhe dirige palavras ameaçadoras. Pelo contrário. No instante em que viu o perigo cercando as pessoas à sua volta, imediatamente se apresentou como o único a receber sobre si todo o castigo do perigo que era iminente.

Então, qual era o problema de Jonas? É ele mesmo quem nos apresenta: aqueles que adoram ídolos, que são coisas sem valor, deixaram de ser fiéis a ti (Jonas 1.8). O problema de Jonas era a paixão pela autenticidade da fé.

No dia de ontem, mais uma vez, um profeta Jonas se despediu de nós. Desta vez não o profeta bíblico e sim o profeta da Bíblia. Aquele que tirava do fundo da memória trechos enormes e complexos do conteúdo que se fez santo, para em seguida discorrer sobre eles com detalhes precisos de quem narra algo que testemunhara naquele mesmo dia. O Jonas que se despediu de nós foi simplesmente o maior orador sacro de sua época e, pelo que se pode observar no circuito eclesiástico, ainda o será por um longo tempo.

Então, se ele era mesmo tão bom assim, qual era o problema desse nosso Jonas? O problema do nosso Jonas, a exemplo do seu homônimo, também era a paixão pela autenticidade da fé. Ele mesmo afirma em um sermão pregado há exatos trinta e sete anos: É o abalo do dogma; da doutrina estática; das estruturas eclesiásticas milenares; o sentimento de ridículo nos serviços litúrgicos; a mecanização do culto; a falta de significação na linguagem religiosa; bancos sem jovens; jovens sem vida; o sentimento angustiante de confusão que domina aqueles que se dispõem a lutar nas fileiras militantes da igreja; o desacordo entre mentalidades sem respeito mútuo; o sacrifício de valores autênticos; a alienação dos que não podem estar satisfeitos, mas que se agarram ai navio que naufraga em águas revoltas. É o ponto de interrogação dilacerando nossas mentes tão terrível quanto o ferro em brasa marcando os animais da fazenda, levando muitos ateus a se alienarem nos templos e lançando cristãos autênticos fora da igreja.

O problema do nosso Jonas não foi outro, senão crer e ser fiel a Deus bom demais para a nossa verdade e nossa realidade.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates