Unção do coração

O chamado de Moisés por Tatcoh School
Tanto a postagem de ontem quanto a do sábado passado foram as postagens mais lidas nos últimos meses e ambas tratam do mesmo assunto: unção. É curioso notar que a primeira postagem desse blog Unção: um novo sacramento?, há quatro anos e meio, que trata também do mesmo assunto, não teve receptividade igual, e posso garantir que, caso fosse postada há dez ou 20 anos, despertaria menos interesse ainda. O que levaria um assunto que era totalmente irrelevante no passado a angariar cada vez mais destaque nos dias de hoje?
Logicamente que esta resposta não será encontrada na Teologia, pois desde sempre este foi um tema sobre o qual os pensadores bíblicos não se debruçaram por muito tempo. Muito menos a encontraremos na própria Bíblia, pois os textos que discorrem sobre a unção são raros e, na sua maioria, pouco profundos. Penso que só a encontraremos alguma referência no retrocesso que a influência das igrejas neopentecostais têm impingido às igrejas tradicionais.
Com base no que foi exposto na postagem de ontem, em todo Primeiro Testamento quando uma pessoa era tomada pelo Espírito de Deus a mudança se observava, antes de tudo, na relação do indivíduo com as demais pessoas. O termo usado por Samuel na unção de Saul denota bem o que estamos dizendo: Então o Espírito do Senhor dominará você, e você vai agir como um profeta junto com eles e ficará uma pessoa diferente (I Sm 10.6). Mas o que o ele quis dizer com se tornar uma pessoa diferente? Seguindo um pouco mais o texto encontraremos: Deus mudou o coração de Saul no momento em que ele se despediu de Samuel (I Sm 10.9) e também: Algumas pessoas que o conheciam viram isso e perguntavam: — O que aconteceu com o filho de Quis? Será que Saul virou profeta? (I Sm 10.11) Quer dizer que Saul recebeu um coração novo.
Logicamente que a palavra profeta não no texto não tem o mesmo significado que é usado atualmente no movimento neopentecostal, mas de qualquer forma queria dizer que a pessoa passaria por uma profunda mudança de mente. Exatamente a experiência que o Segundo Testamento vai chamar de metanoia ou de conversão.
O efeito unção não jogava ninguém no chão, pelo contrário, erguia aquele que estava prostrado. Essa ideia da criatura rastejando como um verme na presença do Criador em nada se assemelha à doutrina ensinada por Jesus, principalmente quando se nega a chamar seus discípulos de servos, preferindo tratá-los como amigos mais chegados que um irmão.
Por outro lado, excetuado o caso enigmático de Sansão, o a unção não conferia poderes especiais ao ungido, mas tinha por finalidade precípua realçar o dom que a pessoa já possuía, e que muitas vezes não nem sabia que possuía. Por isso é que não concordo com lema: Deus não escolhe capacitados. Ele capacita os escolhidos. Tomando como exemplo Moisés, Davi, Jeremias, os discípulos pescadores e Paulo, constatamos que Deus envia os seus escolhidos ou ungidos, como queiram, com as deficiências e fraquezas que estes possuem naturalmente, porque segundo a Bíblia, o poder de Deus se aperfeiçoa na fraqueza. (II Co 12.9)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates