O que é UNÇÃO? II

Unção de David por Saul por Felix Joseph Barrias
Fora de Canaã, esse tipo de investidura quase não se encontra; o rito é mencionado em duas cartas de Amarna, na Síria (I Rs 19.15) e com respeito aos reis heteus; da Mesopotâmia temos apenas um texto duvidoso do ritual régio assírio; a unção dos faraós, que antigamente se supunha com demasiada facilidade, não consta com certeza, quando muito, pode ser mencionada a unção dos mais altos oficiais egípcios por ocasião de sua tomada de posse. Nas Sagradas Escrituras, porém, a unção aparece como o sinal normal da realeza, o critério externo da eleição; o título "ungido de Javé" exprime adequadamente o caráter sagrado do soberano. O termo unção às vezes abrange toda a investidura; o rei só é “constituído" definitivamente, quando recebeu a unção de Javé. Às vezes o rei era ungido pelo povo (II Sm 2.4-7; II Sm 5.7; II Rs 23.30), mas isso não quer dizer nenhuma secularização; nem prova que a unção originariamente tenha sido um rito profano, em que o papel dos anciãos depois teria sido transferido para Javé, Em todas as circunstâncias, o rei continua o ungido de Javé (I Sm 24.7-11; I Sm 26.9-23; II Sm 1.14-16; II Sm 19.22); a unção é feita pelo representante de Javé, o profeta (I Sm 9.16; I Sm 10.1; I Sm 15.1-17; I Sm 16, I Sm 1.12; II Sm 12,7; II Cr 6.42).
Sobre o sentido da unção real existem diversas opiniões. Conforme W. Robertson Smith, esse gesto teria conferido ao soberano uma matéria sagrada (mana) ou uma espécie de fluido carregado de forças, pelo qual ele teria participado da própria vida poderosa de Javé. Está claro que tal concepção primitiva não condiz com os dados bíblicos na sua forma atual. Nem tampouco pode o simbolismo bíblico da unção ser baseado no gesto do hospedeiro ao receber os hóspedes, de sorte que significaria uma proteção divina especial. Ao que tudo indica, o rito visa uma consagração a Javé, consistindo concretamente na posse do “espírito” e na inviolabilidade. Os textos tomam claro que é pela unção que o rei recebe o espírito de Javé (I Sm 10.1-6; I Sm 11.6; I Sm 16.13; I Sm 19.23); o ser arrebatado repentinamente para uma proeza extraordinária (o sentido original do dom do espírito de Javé) exprime- se pela fórmula que “o espírito cai sobre o ungido” (I Sm 1613; Jz 14.6-19; Jz 13.25). No entanto, essa posse do espírito não deve ser tomada em sentido literal demais, como se tomasse o rei partícipe da natureza divina de um modo quase material, ou como se o espírito de Javé (em vez do próprio Javé, sem mais) estivesse corporalmente presente no rei. Nos textos do Primeiro Testamento, a posse do espírito toma um caráter mais ético; receber o espírito do Deus do povo eleito significa, afinal, sofrer uma transformação “receber um outro coração” (I Sm 10.9). Trata-se, portanto, ao que parece, de uma metamorfose completa da psique (I Sm 10.6). De pessoa privada o rei muda-se em chefe carismático; exatamente como os Juízes, é repleto de uma força sobre-humana, a fim de executar os planos de Javé, como instrumento na sua mão. A comunicação do espírito (efeito da unção) é portanto, praticamente, a legitimação do rei da parte de Deus (cf. a expressão: “Deus é contigo”: I Sm 10.7). Por causa do rei "o temor de Javé se apodera do povo” (I Sm11.7); é Javé também quem (pelo rei: I Sm 2.35) opera a “salvação de Israel”, i. é, dá a vitória (11,13). Como a unção faz do rei o representante consagrado de Javé, o próprio fato da unção o toma também inviolável; o rei não pode ser deposto (I Sm 42.7-11; I Sm 26.9-23); ele é uma espécie de nazireu; um atentado contra ele é um sacrilégio. A unção fazia-se sempre num lugar sagrado (II Sm 2.4; II Sm 5.3; I Rs 1.9); isso realçava ainda mais a ligação entre Javé e o seu ungido.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates