O melhor de si

Deus nos amou, www.daum,net
Ainda sobre o versículo João 3.16 teríamos que falar da sua contextualização, principalmente no que diz respeito a palavra filho. Logicamente que a citação se dirige a um filho em especial, ao que na cultura semítica seria o primogênito homem. Não se trata de um filho, mas sim de o filho, o sucessor, aquele que perpetuaria o nome da família, e por meio de quem, segundo pensamento da época, o pai se eternizaria. Por mais romântico que isso possa parecer, não reflete na nossa cultura o sentido exato do que João estava tentando transmitir. Pela própria Bíblia entendemos que o Cristo não nasceu em um dia específico, mas que ele é a encarnação de um ser que “estava no princípio com Deus e que todas as coisas foram feitas por intermédio dele”. Ou seja, que “ele era Deus”. Para o pensamento moderno, o termo filho não teria como ter estas características. Mas o termo “self”, criado por Jung para explicar o terceiro estado da consciência, sim. Para Jung o self é aquilo que há de melhor na pessoa, e o que o faz realizar as coisas mais excelentes. Coisas que por iniciativa própria não seriam capazes de fazer. Então, se este mesmo texto fosse escrito por Jung, ele ficaria assim: porque Deus amor tanto o mundo que deu o seu self, para que todo aquele que nele crê não pereça. Não pereça para que não aumente mais a dor de Deus. Na realidade, para João, Deus não designou alguém para sofrer em nosso lugar. Nada disso, entregou-se voluntariamente o melhor de si mesmo, tamanha era a sua dor pelas circunstâncias em que vivia o ser humano.

Leitura: João 3.1-16.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates