Por amor do qual perdi tudo

Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo. Leia Filipenses 3
Viagem da tocha, detalhe em cerâmica
Certa vez li uma belíssima comparação de Rubem Alves entre o tênis e o frescobol. Interessante que esse meu professor estabeleceu diferenças, tanto no objetivo, quanto no resultado final. Se no tênis a finalidade é colocar a bola longe do alcance do adversário construindo ponto a ponto a sua derrota, no frescobol o mérito do rebatedor, não sei se tem esse nome, é devolvê-la na melhor condição possível, propiciando um ataque ainda mais eficiente da parte do seu oponente.

No capítulo 3 da Carta aos Filipenses, Paulo esboça como seria a sua participação num tipo de competição que se assemelhava a uma prova de atletismo no melhor estilo grego da época. Ele, que auxiliado por Silas em 49, foi pastor e fundador daquela que foi a primeira igreja cristã radicada numa cidade europeia, vê-se agora, menos de oito anos depois, concorrendo com a doutrina de outros pastores, que, se beneficiando da ingenuidade daquela congregação, tentavam mudar radicalmente o conteúdo e os objetivos do trabalho por ele iniciado.

O embate começa na apresentação, pois se os pastores que chegaram até eles tinham títulos e recomendações, ele, Paulo, muito mais. Para tanto, descreve uma série de atributos, que tantos judeus como judeus-cristãos se orgulhariam de possuir. Dentre eles o que mostrava de modo irrefutável que a sua conversão do Judaísmo para o Cristianismo era autêntica: Paulo já havia sido um perseguidor da Igreja da qual agora era servo.

Na citada carta, Paulo dá sinais de que havia detectado um programa bem elaborado por parte desses novos pastores, cujo objetivo era fazer a Igreja voltar aos antigos preceitos da religião judaica. E é nesse ponto que podemos dizer que acontece a largada da prova. Paulo fala da alegria do cristão em servir a Deus e a igreja. Fala também das oportunidades que perdeu por causa do evangelho. Fala da sua fé, que apesar de pequena, lhe propicia a justiça. E fala que corre, não em direção à vitória, mas em direção à morte.

Importante que se diga que Paulo não estabelece exatamente um ponto de chegada. Qualquer lugar em que tivesse chegado marcaria apenas mais um ponto de partida, assim como lhe apontaria a direção a ser seguida. Então, qual seria o prêmio desta competição?

Como membro da Igreja Triunfante, Paulo gostaria de receber o prêmio de ver aquela pequena e frágil Igreja refutar a doutrina daqueles que ele chamou de inimigos da cruz de Cristo. Pois, se os filipenses dessem importância aos ritos e prescrições judaicas estariam anulando por completo o sacrifício de Jesus na cruz do Calvário.

Como prêmio pessoal, como pastor sério e fiel, ele gostaria de ver malograda a tentativa daqueles que se aproveitavam do evangelho para lucro e promoção próprios. Aqueles, que como ele mesmo diz, têm o ventre como seu Deus, e cuja mentalidade ainda é terrena e cujos objetivos não são os de Deus.

Como prêmio definitivo, ele queria, ainda que por alguns instantes, saborear a sensação de dever cumprido. Não que ele julgasse terminado o seu trabalho, pelo contrário, cada vez corria mais rápido e para mais longe, em direção a um prêmio que não estava aqui no mundo, mas no alto.

Podemos considerar que esta seja uma santa tentação, até podemos desejá-la para nós, mas antes de pensarmos nos prêmios a receber, que compreendamos ser esse não um jogo de tênis, mas de frescobol. Pensemos antes de tudo o quanto teremos que abrir mão, o quanto teremos que nos virar para servir bem, e em tudo o quando nos será devolvido sob a forma de incompreensão, ingratidão e agressividade. Se não é assim que pensamos, será melhor nem entrarmos nessa disputa.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates