Implicações do sofrimento

Jó e seus amigos, Ilya Repin em 1869
Logo nas primeiras páginas do Gênesis o sofrimento entra na Bíblia: o homem, que no princípio vivia em comunhão com Deus no Jardim de Éden, é expulso por causa de sua desobediência para a terra de Nod, que significa exílio, ou seja: para onde Caim fosse ele seria sempre um  exilado. Exílio, solidão, sofrimento, doença e morte são a herança de castigos pelo primeiro pecado. Nos tempos primordiais, paradisíacos, o homem não conhecia o sofrimento, assim como na bem-aventurança final também não haverá mais sofrimento.

O sofrimento, portanto, não é visto como uma espécie de fardo, ao qual o homem nunca conseguiu se desvencilhar, mas sim como uma situação de desordem originada pelo pecado. Por causa desta relação entre o sofrimento e o pecado constata-se no Primeiro Testamento uma tendência para se interpretar todo o sofrimento, inclusive o do justo, como um castigo pelo pecado dos antepassados. Seria um tipo de retribuição nesta terra imposta como uma sanção coletiva, o que é chamado de Pecado original, mas também pelas faltas pessoais, mesmo as escondidas. O caráter incompleto e unilateral deste modo de ver foi sendo rechaçado aos poucos. No entanto, em consequência das deformações dos escatologistas, o Primeiro Testamento nunca chegou a uma solução satisfatória.

Durante longos séculos Israel teve que lutar contra este problema, mas não se esquivou diante da questão e aceitou não saber dar uma solução racionalmente satisfatória. Fortificado pela fé, inclinou a cabeça ante a sabedoria imperscrutável e o poder de Deus. A pregação profética, que salientou os elementos éticos na doutrina do Primeiro Testamento sobre a expiação, deu aos fiéis em Israel alguma compreensão do plano de Deus na história e o fez aceitar as calamidades que vinham sobre o povo como um juízo de Deus, um juízo que os conservava, purificava e renovava. 

Assim o sofrimento que o justo partilhava como membro do povo de Deus podia ser sentido como uma penitência imposta por Deus e necessária para que não perecesse o povo todo. Essas ideias formam também a base da historiografia dos autores deuteronomistas. Elas estão relacionadas com a esfera jurídica e com concepções pedagógicas: a dor é um elemento necessário na educação. Manifestam-se também na visão nova de Isaías 53 que aponta o sofrimento inocente do Servo de Javé como o único meio de expiação para a culpa do mundo. Na teologia judaica posterior a doutrina que interpreta o sofrimento como expiação ou penitência, exprime-se de muitas maneiras, sendo aplicada também ao cativeiro do próprio povo judaico.

No Segundo Testamento o sofrimento de Jesus foi necessário que Cristo, o Filho do Homem e Servo de Deus, sofresse e morresse. Este pensamento é um dos elementos mais essenciais da prega­ção evangélica sobre Cristo. João usa a expressão “ser elevado” ou “exaltado”, como um resumo de toda a sua vida. Conforme os sinóticos, uma parte importante da tarefa de Jesus como Messias consistia no seu sofrimento e na sua morte de acordo com a vontade de Deus. Veja-se também o modo como Jesus guardava o segredo de ser ele o Messias. A semelhança, sugerida na tradição sinótica, entre a vida de Jesus como a sorte do Servo de Javé em Isaías 53.

A primitiva pregação cristã, tanto para os judeus como para os gentios, tratou muitas vezes da paixão do Senhor. Verdade é que a considerava mais como uma provação que Deus lhe impôs, a qual superou de modo triunfante, mas afirmou também, pelo menos implicitamente, o seu valor soteriológico.

Foram Paulo, depois o escritor de Hebreus e Pedro que desenvolveram plenamente a teologia do sofrimento. Paulo fez coincidir sua doutrina sobre o sofrimento com a sua teologia da cruz. Para ele a cruz, com o escândalo que causa, está no centro da pregação cristã. A teologia de Paulo sobre a cruz forma a base do culto cristão e de sua doutrina sobre os sacramentos: a eucaristia e o batismo. Na paixão e morte, o apóstolo vê a grande prova do amor de Jesus. Pela paixão e morte de Cristo, o sacrifício expiatório de sua vida, todos foram resgatados, reconciliados com Deus, livrados do pecado, da lei, da morte, de todos os poderes cósmicos. Pela sua paixão e morte Cristo conquistou para nós todos os bens da salvação e pôs o fundamento da Igreja. Assim a mensagem da cruz, que não esconde nada das humilhações do Messias padecente, é ao mesmo tempo uma mensagem de ressurreição e vida. 

Em Hebreus 2.28, 9.26 e 13.12, como também em l Pedro 2.21 e 4.1 se servem do verbo náoxsiv quando fazem referência ao fim da vida de Jesus, em oposição a João que usa o verbo ànoOvrioxeiv, contudo, ambos os verbos referem-se mais à morte de Jesus do que propriamente à paixão que a precedeu, a qual, no restante da Bíblia nunca é isolada da morte do Senhor, como vemos em Marcos 8.31, que diz: Então, começou ele a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do Homem sofresse muitas coisas, fosse rejeitado pelos anciãos, pelos principais sacerdotes e pelos escribas, fosse morto e que, depois de três dias, ressuscitasse. Vemos também que os Pais Apostólicos continuaram fiéis a esse modo de falar: Crucifixus etiam pro nobis sub Pontio Pilato, passus et sepultus est (foi crucificado sob Pôncio Pilatos, morto e sepultado).

O sofrimento na vida do cristão deve ser sempre olhado através desse prisma. Na perspectiva de Jesus, particularmente nas narrativas sobre a vida dos discípulos há como um caminho cheio de sofrimentos: João 15.20 - Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que seu senhor. Se me perseguiram a mim, também perseguirão a vós outros; se guardaram a minha palavra, também guardarão a vossa. Jesus, porém, nunca usa o verbo náauy, como faz o Segundo Testamento em outros textos, como em Apocalipse 2.10: Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

Segundo Paulo, a vida do cristão é uma tensão entre dois polos: morrer e viver com Cristo. O sofrimento não é privilégio do apóstolo ou de determinados cristãos, mas pertence à própria essência da vida cristã; é uma grande graça, superior até mesmo à própria graça da fé: Porque vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente de crerdes nele. Por isso que Paulo, sem medo de se enganar, ousa predizer provações às suas comunidades cristãs. Para ele o sofrimento não é uma coisa que o cristão sofre passivamente, mas antes uma luta ativa, viril, pela causa de Cristo. Por isso este apóstolo não se envergonha dos seus sofrimentos e, longe de ver seu ministério desanimar, ele vê nas suas muitas privações e provações e nas perseguições contra os cristãos, um motivo de alegria, uma fonte de consolação, um autêntico sinal de salvação e um penhor no juízo de Deus: E que em nada estais intimidados pelos adversários. Pois o que é para eles prova evidente de perdição é, para vós outros, de salvação, e isto da parte de Deus.

Tudo o que o cristão tiver de sofrer neste mundo, não é nada em comparação com a glória vindoura, pois o próprio Cristo entrou na sua glória através de seu sofrimento. Ideias análogas são elaboradas mais profundamente na primeira carta de Pedro, cujo autor se apresenta como “testemunha da paixão de Cristo”: Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda coparticipante da glória que há de ser revelada.

A carta aos Hebreus diz textualmente que o maior auxilio para o cristão nos seus sofrimentos é o exemplo de Cristo. Jesus é nosso modelo e é assim que os cristãos participam do sofrimento de Cristo: Hebreus 3.14 - Porque nos temos tornado participantes de Cristo, se, de fato, guardarmos firme, até ao fim, a confiança que, desde o princípio, tivemos. Paulo relaciona a sua doutrina sobre o sofrimento do cristão, mais particularmente dos apóstolos, diretamente com a sua doutrina sobre o corpo místico. Ensina que o sofrimento, dele e dos demais apóstolos, se dá por causa da sua união com o sofrimento de Cristo e que é uma bênção para os membros do corpo místico. Em alguns textos, porém, ele exprime esse pensamento de forma vaga e sucinta demais para mostrar de modo absolutamente inequívoco todo o alcance da sua doutrina. Mas ele abre a segunda carta aos Coríntios com o firme propósito de incutir na mente daqueles que foram por ele evangelizados que o caminho estreito que Jesus anunciara, mais do que por privação de alimentos ou por regras de conduta moral passa pelo sofrimento: Porque, assim como os sofrimentos de Cristo se manifestam em grande medida a nosso favor, assim também a nossa consolação transborda por meio de Cristo. Mas, se somos atribulados, é para o vosso conforto e salvação; se somos confortados, é também para o vosso conforto, o qual se torna eficaz, suportando vós com paciência os mesmos sofrimentos que nós também padecemos. 

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates