Natal na Alemanha de 39 I

Propaganda nazista durante a II Guerra
O solstício de inverno
A celebração comunitária de Natal real, que não pode realizar este ano, devido às exigências da guerra, é o solstício de inverno.

Por muitos tem sido uma parte de nossas celebrações de Natal que já não pode ser celebrado sem ele. Ele deve de modo algum substituir a celebração do Natal dentro da família. Este antigo costume de nossos antepassados deve aprofundá-lo e enriquecê-lo. A celebração do solstício de inverno não é uma questão para as organizações partidárias, mas sim uma questão de todo o povo. A comunidade deve participar na celebração do solstício de inverno, no entanto, os eventos serão diferentes de lugar para lugar. Em lugares menores, toda a comunidade da aldeia pode reunir em torno de um fogo. Nas grandes cidades, tem que ser feito por grupos locais, ou até mesmo por organizações específicas. A experiência da comunidade, em tais casos, é mantida por acender o fogo, ao mesmo tempo, e por voltar a um local de encontro central para uma reunião da comunidade. As tochas vêm isoladamente, mas devem ser jogadas no fogo comunitário. Esse fogo deverá ser mantido aceso até 24 de Dezembro. Em 24 de dezembro, as famílias devem acender uma vela nesse fogo e usá-la para acender as velas da árvore de Natal em casa. Este costume parece bem adequado, pois significa o crescimento da comunidade e da centelha da visão de mundo que o Führer acedeu em nossos corações.


O fogo solstício de inverno todos os anos leva milhões de alemães à floresta de inverno para forja-los fortemente juntos em uma unidade inabalável. E o fogo solstício sempre foi um proclamador de germanismo ao longo de nossas fronteiras. No passado, o fogo solstício nunca foi um fogo sacrificial a uma espécie de ser divino. Era sempre uma lembrança, um símbolo, uma afirmação do nosso povo às leis eternas da vida. Queimava em momentos de provação e em tempos de alegria. Ele foi aceso em 1813 durante as guerras de libertação, e pelo movimento da juventude antes da guerra. Afastou-se de vez do estábulo de Belém e das canções de Hosana ao Filho de Davi. Friedrich Ludwig Jahn descreveu com as seguintes palavras:
Enquanto nosso povo permanece fiel aos costumes de seus pais, enquanto as chamas queimam a partir do topo das montanhas no solstício do verão e do campo no solstício do inverno, tanto mais vai brilhar a chama do entusiasmo que vai explodir em chamas quando as pessoas mais precisarem dele, a chama em que os traidores, encrenqueiros e mentirosos que ameaçam o nosso povo vai reconhecer em seu fim merecido.

O costume se desenvolveu para lembrar os mortos da guerra quando eram jogadas as coroas no fogo. Durante vários anos, a SS organizou um festival de danças onde a força e a virilidade ressaltavam. A última parte da marcha para o local do incêndio é silenciosa. O discurso no local do incêndio deve ser breve e convincente. Ele deve ser um apelo à ação, e não simplesmente uma declaração de que os nossos antepassados. A experiência das chamas altas, das estrelas de inverno, e da paisagem alemã coberto de neve significam para nós bem mais do que as palavras.

O Natal na família alemã
Para nós alemães, o ponto alto da véspera de Natal são as velas acesas na árvore dentro do círculo de familiares e parentes. Quatro semanas antes, é acesa a guirlanda de Natal com suas quatro velas vermelhas. No dia de Ruprecht, 6 de dezembro, Papai Noel vem para as crianças. A partir de então não há ruído e nem música durante longos dias, as pessoas fazem pequenos presentes. As crianças pequenas assistem tudo o que acontece durante estes dias. Uma mãe dificilmente saberia responder a todas as suas perguntas, mas repetidamente ela fala sobre o Papai Noel e os seus ajudantes, os elfos e anões, de Frau Holle, a partir de contos de fadas de Grimm, Branca de Neve, Chapeuzinho Vermelho, de Hansel e Gretel e todos os outros. O Natal é um momento para nossos filhos ouvirem contos de fadas. 

Quando raiar o dia, os filhos, com olhos brilhantes, serão mais agradecidos e mais amorosos com seus pais, e a mãe vê que todo o trabalho e amor que ela colocou na preparação da festa foram recompensados. Afinal, o que é o Natal sem as crianças, o que é a vida sem o sacrifício que uma geração faz para a outra? 
(Compilado de um texto da época)
(continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates