Haverá Natal para o Zé?

Isto vos servirá como ultimato: Encontrarei um bebê indigente enrolado em trapos e deitado num coxo. Lucas 2.12 (tradução livre)

Se existe uma saudação com a qual eu, durante o transcurso da minha vida, não pretendo fazer a mais ninguém é essa: Feliz Natal. Somente quando você está ou se coloca no lugar do sozinho, do aflito e do desvalido é que pode perceber o quanto são vazias essas palavras e o quanto elas são inócuas perante a realidade que é o cotidiano dessas pessoas, mesmo que proferidas por bocas sinceras e debaixo das melhores intenções.
Feliz o quê? Natal? O que significa Natal para toda essa gente que apenas pode contemplar à distância, com seus olhos banhados em lágrimas do desespero, algumas imagens nebulosas da euforia irracional de uma festa que há muito já não reflete qualquer dos sinais que foram emitidos a partir daquela antiga e humilde manjedoura, para não dizer coxo.
Feliz como? Qual seria a receita, a oração, a mandinga, a fórmula ou a equação que pode sinalizar um fio de esperança para aquele que não está enxergando ou para aquele que nunca enxergou qualquer possibilidade de mudança que lhe possibilite um Natal minimante suportável, quanto mais feliz?
Feliz quando? Talvez essa seja a pergunta crucial. Quando vamos aprender que Natal não é nada disso? Que Natal, antes de ser uma festa, é um momento de profunda introspecção, de total despojamento e de irrestrita solidariedade? O Papa Francisco em uma homilia no final do ano passado profetizou muito sabiamente: Este pode ser o último Natal para a humanidade. Não foi o último e pode não ter sido o penúltimo, mas é certo que a iniquidade que transita livremente em nosso meio não é menor do que a de Sodoma e Gomorra, e nem nos nossos templos há mais justiça e fidelidade do que no Templo de Jerusalém reduzido a escombros por Tito, seguindo rigorosamente o que havia sido prescrito por Jesus.
Haverá um Natal para o Zé? Esta é uma peça teatral que assisti já faz algum tempo, muito embora a pergunta ainda continue sem resposta.


Ps: Exclusivamente por esses e outros motivos que não respondi a qualquer saudação nesses últimos dias. O outro motivo é que até os ateus estão me desejando Feliz Natal!

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates