Vento impetuoso

Apolo em Corinto, autor não identificado
Alguém tenta fechar a porta, mas ninguém seria capaz de conter a sua impetuosidade do vento. A investida empreendida pelo vento de Deus é um desafio aos poderes políticos, ali representado pelos romanos, e religiosos, por parte dos líderes judaicos, que estavam firmemente fincados, e a tudo que viesse perturbar aquela ordem seria de imediato aniquilado. O vento veio para derrubar essa relação e nivelar a todos debaixo de um poder que pretende estabelecer-se pela solidariedade, pela justiça e pelo amor. Por onde passa o vento de Deus não subsistem barreias sociais, políticas e nem a força das armas.
O vento atravessa o coração de pessoas de procedência, de índoles e de propósitos essencialmente diferentes, fazendo com que todos falem a mesma língua e tenham todos um só coração. Onde a diplomacia, a boa intenção, a boa vontade dos homens com suas mirabolantes propostas de conciliação falham, o coração transformado pelo vento de Deus fez toda a diferença.
Ainda podemos assinalar outra investida do vento de Deus. Esta contra a relevância potencialidades individuais. É isto o que eu vou fazer, nos últimos dias — diz Deus: Derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Os filhos e as filhas de vocês anunciarão a minha mensagem; os moços terão visões, e os velhos sonharão. Sim, eu derramarei o meu Espírito sobre os meus servos e as minhas servas, e naqueles dias eles também anunciarão a minha mensagem (Atos 2.17-18). Velhos, crianças, servos, livres, homens, mulheres, ou seja, a pluralidade na sua mais expressiva forma. O vento investe contra a rigidez da doutrina, dos costumes, e eu diria até contra certos tipos de moral, que mais revelam a nossa intolerância do que o propósito de sermos fiéis a Deus. O vento veio para revelar que quem gosta do uniforme é o outro. Quem gosta do coturno é o outro. Quem gosta da padronização é o outro. Deus gosta mesmo da pluralidade das formas, das cores e das experiências. Nela ele sopra onde quer e sobre quem quiser. Ele vem de onde não esperamos e vai para onde jamais saberemos.
Em certas horas eu duvido que o evangelho é tão sutil quanto se anuncia. Uma leitura que leva em conta um Deus que bate à nossa porta e pacientemente aguarda ser convidado para entrar e agir em nossa vida. Ao testemunhar tantos fatos que corroboram diretamente com a narrativa de Lucas, sou impelido, quem sabe por este mesmo vento, a duvidar que seja sempre assim. Tenho pra mim que se o vento de Deus vai bater suavemente ou arrombar a nossa porta, vai depender apenas da porta que ele nos encontrar.

Leitura: Atos dos Apóstolos 2.1-13

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates