Pedindo mal

O pedido dos filhos de Zebedeu, autor não identificado
Parece que desde sempre a igreja esteve mais preocupada em sentar-se no trono do que em ocupar o seu lugar à mesa. Vocês não sabem o que estão pedindo, é o que Jesus fala, quando ainda atônito, tenta interpretar o pedido dos filhos de Zebedeu. A minha estreita visão teológica intui que ele o faz visando dois aspectos diferentes, os quais vou me empenhar em traduzir segundo o melhor das minhas limitações.
Primeiramente Jesus diz: Vocês não sabem o que estão pedindo pra si. Vocês não fazem ideia do tamanho da responsabilidade que estão chamando sobre vocês. Os discípulos só enxergaram o final feliz da história: Jesus na glória reinando soberano. Não deram a menor atenção ao que Jesus havia dito minutos antes: Escutem! Nós estamos indo para Jerusalém, onde o Filho do Homem será entregue aos chefes dos sacerdotes e aos mestres da Lei. Eles o condenarão à morte e o entregarão aos não judeus. Estes vão zombar dele, cuspir nele, bater nele e matá-lo; mas três dias depois ele ressuscitará (Mc 10.33-34). O árduo caminho que leva à cruz sequer é levado em conta, e os tolos ainda se disseram capacitados, porque a sua cobiça só os permitia enxergar o cálice do banquete, mas não o outro cálice, o da agonia, o cálice do qual o próprio Jesus suplicou para não beber.
Vocês não sabem o que estão pedindo pra mim. Não sou eu que determino onde cada um vai sentar-se. Definitivamente Jesus era benevolente demais. Eu nem quero imaginar o que aconteceria se um pedido desse tipo fosse feito a Paulo. Se em I Tm 1.20 ele diz que entregou Himeneu e Alexandre a Satanás para serem castigados, por muito menos, o que não faria com esses dois? São pedidos e cobranças que só levam em consideração três ou quatro versículos bíblicos que falam de promessas. Todos os outros que falam da contrapartida passaram a fazer parte de uma aliança antiga que não precisa mais ser cumprida.
Realmente não sabemos o que estamos pedindo. Não enxergamos nada além da concepção política do messianismo. Vez por outra, aparece uma oportunidade de fazermos a diferença, mas preferimos fazer coro com a população em geral. Como é o caso de pastores e membros antigos manifestarem publicamente a sua opção partidária. É justamente aí que damos com os burros n’água, mesmo sem termos a noção concreta do que está sendo questionado, baseados em dados de uma única fonte, damos o nosso irrestrito aval. Estamos diante da prova cabal que a igreja nunca mediu a consequência das suas petições: nem no passado com Tiago e João, e nem agora quando os rumos da política do país estão se transferindo das mãos do Satanás para as mãos do Coisa Ruim.

Leitura: Marcos 10.32-45

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates