O que é JUDAÍSMO? II

Leitura da Torá, Pasteve
Outro fenômeno específico do Judaísmo é a estrita observância da Lei. Uma das preocupações fundamentais do Judaísmo foi “erguer uma cerca em torno da Lei”. Embora haja nesse “zelo pela Lei” um sério “zelo por Deus” (Rm 10.2), cometeu o Judaísmo o erro de interpretar as prescrições da Lei, não no espírito dos profetas, mas com uma casuística penosa e dura. Literalistas sem inspiração procuravam assegurar-se por uma obediência puramente formal, sem conformidade interna com a vontade de Deus. Os atos externos (o jejum, as esmolas, a oração, as abluções) eram o principal objeto do interesse religioso; o motivo interno era pouco visado. Isso levou à convicção da “salvação pelas obras” (Lc 18.11-13) e à pouca receptividade para a mensagem profética de repreensão, instrução e reflexão. De mais a mais, o Judaísmo acrescentou à Lei um grande número de prescrições secundárias (às vezes até imorais: Mc 7.11-12 sobre o corban) (“a tradição dos Antigos”); tudo isso nos faz compreender como a seita dos Fariseus (“separatistas”) chegou àquela atitude dura, estreita e presumida, que conhecemos pelo Evangelho (Mc 7.1-13; Mc 12.38-40; Mt 23.13-33; Lc 11.37-52). O grande respeito pelo dom divino da Lei (conforme Baba Mezia 85b Deus estuda a sua própria Tora), que acabou sendo identificada com a própria Sabedoria de Deus, levou os pregadores e mestres religiosos do Judaísmo (os escribas) a codificar os frutos dos estudos seculares sobre a Lei, no Talmude (todo o complexo da exegese da Mixná, as teses e os ditos dos Rabis em relação à Tora, oralmente transmitidos).

Ao lado desses aspectos sombrios o Judaísmo apresenta em certos pontos uma riqueza religiosa muito notável, pela qual é inegavelmente uma “praeparatio evangelica” e pela qual, naqueles determinados pontos, se encontrava “não longe do Reino de Deus” (Mt 12.34). Sem dúvida as noções sobre Deus eram muito mais puras no Judaísmo do que no mundo greco-romano. Havia no Judaísmo muito menos ateísmo, indiferença e leviandade do que em qualquer sociedade atual ou anterior. Acreditava na ressurreição corporal, aplicava-se com seriedade ao proselitismo, conhecia a “regra áurea” do amor do próximo (já formulada pelo contemporâneo de Jesus, o rabi Hilel), coisas que já nos fazem descobrir no Judaísmo uma “anima naturaliter christiana”. Havia certamente não poucos que como Simeão “anelavam a consolação de Israel" (Lc 2,25); isso pode-se deduzir de fenômenos religiosos como o dos “pobres de Javé” (os “mansueti et quiescentes” de III Esdras 11.42 ou de Sabedoria 5.13: “Quem é a esperança dos aflitos e dos pobres, senão Vós, Senhor? Vós os atendereis; pois quem é misericordioso e clemente senão Vós? Vós alegrais o coração do humilde, abrindo a vossa mão em piedade”) ou dos Essênios (com o seu celibato religioso, o seu ascetismo monacal, as suas abluções rituais intermináveis).(anterior)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates