Será que é pra mim?

Universidade dos anjos,autor não identificado
Ainda que mil pessoas sejam mortas ao seu lado, e dez mil, ao seu redor, você não sofrerá nada. Salmo 91.7

Sempre foi bem vinda a ideia de termos um Deus sempre de prontidão, atento à nossa segurança e de olho nos inimigos e rechaçando qualquer perigo à nossa volta. Fazemos questão de vê-lo como senhor do universo, onipotente, que domine soberano sobre o macrocosmo, mas quando estamos doentes queremos que ele deixe tudo e esteja ao nosso lado na cama. Talvez o motivo de hoje pensarmos assim, mesmo aqueles que nunca foram católicos, seja a forte influencia que a doutrina dos anjos da guarda pessoais tem exercido por séculos. Contudo, no judaísmo antigo essa também era uma ideia pulsante, e é esse salmo que traz consigo a essência da doutrina consagrada por São Tomás de Aquino. No versículo onze ele diz: Deus mandará que os anjos dele cuidem de você para protegê-lo aonde quer que você for (Sl 91.11).
 Um tipo de proteção individual e exclusiva que seria assegurada àqueles que, aos olhos de Deus, seriam considerados justos, enquanto que aos demais, reconhecidamente ímpios caber-lhes-ia apenas a ruína. Esta é uma doutrina consensual e que acomoda bem o pensamento de muita gente, pois além de mostrar uma credulidade piedosa em Deus, ainda lhe concede a ele a honra que lhe é devida. Praticamente todos os judeus que viviam na época, ao lerem esse salmo, diziam a mesma coisa: essas promessas são pra mim. Até que surgissem os profetas escritores. Homenzinhos estranhos, que através das suas mensagens radicalmente subversivas, colocaram em cheque a justiça dos justos, a sinceridade das celebrações, a idoneidade dos cultos e a piedade dos piedosos. Tais profetas vieram denunciar que não era por causa da sua justiça que eles estavam gozando de boa situação, e que muito menos isso era sinal da proteção divina, uma vez que aos olhos de Deus essa justiça não existia. Sua prosperidade era resultado da exploração dos mais fracos. Muitos passando muito mal, para que poucos vivessem tão bem.
Mas esses profetas faziam suas denúncias numa esfera superior de poderes. Eles não iam para as periferias encher os ouvidos dos pobres e sofridos. Eles iam para frente dos palácios, para os lugares onde aconteciam as decisões, era ali que pregavam a sua mensagem. Ao que parece, não é exatamente o que está acontecendo aqui. Não estamos pregando para líderes políticos. Pouquíssimos de nós tem essa influência política ou esse poder de decisão. Nós que pregamos do púlpito dificilmente falamos para gente desse escalão. Nesse caso, deveríamos pensar se estamos fora das denúncias, se os profetas não estão falando diretamente para a igreja de hoje, e se essas promessas são mesmo para nós.


Leitura: Salmo 91

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates