Interruptores de Deus

A rocha com um piscar de olhos por Ross Cochrane
... e o que ligares na terra será ligado nos céus, e o que desligares na terra será desligado nos céus. Mateus16.19

Nas duas ocasiões em que Jesus tentou incutir a responsabilidade sobre ligação entre os céus e a terra, falava exclusivamente à igreja. Esta que, semelhante ao inferno, também tem portas que se abrem e se fecham. Portas que permitem a ligação ou promovem o desligamento. Aí sim, entra a responsabilidade individual. Somos nós como indivíduos que abrimos ou fechamos as portas da igreja. Ela precisa estar aberta para que passe o miserável pecador, mas precisa se fechar para que não passe o modelo de pessoa que eu pretendo que meu irmão se transforme. É aqui que a Bíblia fala diretamente a quem somente desliga, a quem somente fecha portas, a quem jamais perdoa.
Embora, à primeira vista possa parecer abuso de poder, a decisão de ligar ou desligar pessoas tanto na terra quanto nos céus é um processo que obrigatoriamente precisa tramitar por várias estâncias. Começa com a aproximação pessoal, a tentativa de reconciliação do ofendido com o ofensor. Para Jesus a busca e reconquista do extraviado é muito mais importante do que a segurança do que permanece fiel. A parábola da ovelha perdida citada neste texto deixa isso bem claro. Em segunda estância o motivo do possível desligamento deve ser levado ao conhecimento de duas ou três testemunhas. Como última e derradeira estância o caso deve se tornar público, para que deixe de ser uma decisão pessoal e unilateral e retorne ao foro competente a quem Jesus efetivamente legou tamanho poder: à igreja.
Ainda que destituídos do poder desligar, Jesus não nos deixou livres da responsabilidade de tentar ligar, nem do bom encaminhamento deste processo. Todo o processo de ligação começa conosco. Diria melhor, começa em nós. Dizia Dom Helder: ninguém há de querer subir sozinho ao altar de Deus.
Mas se há liberdade quanto ao processo de ligar ou desligar, não se pode dizer o mesmo com respeito ao perdão. Quanto ao perdão Jesus nos deixa duas escolhas, perdoar ou perdoar. O perdão pode não ser a única alternativa do ofensor, mas, com certeza, é a única do ofendido.
Se ainda não nos apresentassem motivos suficientes para que consideremos a obrigatoriedade do perdão, o teólogo espanhol Antônio Pagola, que está sob um absurdo processo impetrado pelo Vaticano, nos dá uma pista inquestionável, e com ela eu encerro esta meditação: É curioso observar como Jesus, quando fala constantemente do Reino de Deus, não chama a Deus de “rei”, mas de “Pai”.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates