A vitória do sofrimento

Cristo torturado (www.myloveisrael.com)
No primeiro dos quatro cânticos dedicados ao servo sofredor de Deus, Isaías faz uma apresentação muito sucinta do que realmente vem a ser este servo e do seu propósito. Mas uma coisa fica clara de antemão: Isaías não está falando de um servo qualquer, do tipo de pessoa que conhecemos bem. Aquele tipo que arroga para si uma postura piedosa, no mau sentido da palavra, e se anuncia como sendo apenas um humilde servo ou serva do Senhor.
Ele também não é apresentado como alguém que recebeu de Deus um chamado para ser seu profeta. Todos os profetas negaram o seu chamado, rebelaram-se contra Deus, acharam-se inadequados para a missão e tentaram esquivar-se de todas as formas, apresentando todas as justificativas cabíveis e imagináveis. Mesmo aqueles que a princípio, de forma corajosa, se apresentaram solícitos, como fez o próprio Isaías através do seu conhecido chavão: eis-me aqui, envia-me a mim, ao se inteirarem do peso e das consequências da missão, recuaram imediatamente: até quando Senhor.
A questão básica que não devemos omitir o fato de que os capítulos de 40 a 55 do livro que leva o nome do profeta Isaías foi escrito pelo que é conhecido pelos estudiosos como o dêutero Isaías ou segundo Isaías. Aquele que prega para uma nação dividida, oprimida e sem quaisquer perspectivas de liberdade dos calabouços do exílio babilônico. Povo para o qual a mínima esperança de intervenção de um Messias salvador se fazia urgente. O povo judeu todoque fazia para si repetidamente a mesma pergunta: Porque nós, que somos povo de Deus, chamados por ele, que clamamos pelo seu Nome, estamos sofrendo todas essas aflições? Aqueles que eram a terceira geração de exilados, que nunca tiveram qualquer participação ativa nas iniquidades e injustiças que seus pais e avós cometeram, estavam questionando o amor de Deus, e a aliança prometida por ele.
Quem conheceu a intervenção de Deus na escravidão egípcia não poderia se surpreender caso este servo não fosse mais do que Moisés: um velho gago e foragido. Muito embora ultrajado, o servo teria persistência para resistir aos opositores: Aqui está o meu servo, a quem eu fortaleço, o meu escolhido, que dá muita alegria ao meu coração. Pus nele o meu Espírito, e ele anunciará a minha vontade a todos os povos. Não gritará, não clamará, não fará discursos nas ruas. Não esmagará um galho que está quebrado, nem apagará a luz que já está fraca. Com toda a dedicação, ele anunciará a minha vontade. Não se cansará, nem desanimará, mas continuará firme até que todos aceitem a minha vontade. As nações distantes estão esperando para receber os seus ensinamentos (Is 42.1-4).
Não consigo distinguir nessas palavras qualquer referência a um credo específico, nem qualquer ênfase sobre uma denominação, muito menos que o seu foco esteja sobre qualquer religião. Onde muitos viam, e ainda veem o demônio do ecumenismo, Francisco de Assis via a bênção do diálogo interreligioso. O servo sofredor de Deus não pergunta qual era a religião dos magos, não distingue os pastores pela sua condição social, não averigua o status celestial dos anjos. Aquele que em torno de si há de reunir todas as religiões, todas as classe sociais, todos os títulos religiosos, homens e anjos, reis e pastores, pessoas e animais, céus e terra.

Leitura Is 42.1-9

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates