O que é o ECLESIASTES ?


São Jerônimo, Peter Paul Rubens
O livro do Eclesiastes, no grego extiowxcrtic; hebraico qõhelet, que é o particípio feminino da raiz qãhal (discursar; a forma feminina que indica profissão ou ofício) e significa, presumivelmente: aquele que, na assembleia do povo usa da palavra, por ofício, pregando; daí, p. ex., o nome do livro em alemão: Prediger, desde Lutero.

Conteúdo
Além do título (1,1) e de um epílogo (12,9-14), o Eclesiastes contém sobretudo certo número de considerações sobre a vaidade de tudo o que é terrestre, conforme é indicado no início e no fim: vaidade das vaidades, tudo é vaidade (1,2; 12,8). Entre esse início e esse fim encontram-se provérbios (especialmente na segunda parte do livro), e meditações sobre a brevidade da vida, a inutilidade das labutas do homem, o fracasso das suas obras, etc., alegando geralmente a própria experiência do autor. Repetidamente chega-se à conclusão: goza da vida e dos bens desta terra; pois isso é a única coisa que o homem tem de todo o seu trabalho.

No entanto, em tudo isso, o autor não é materialista, pois considera os prazeres da vida como um dom de Deus, sabendo que o homem terá de prestar contas a Deus sobre tudo, também sobre o uso dos bens materiais. Em grande parte a sua visão da vida, aparentemente materialista e pessimista, provém de suas ideias sombrias a respeito da vida após a morte nos infernos, de sorte que as decepções da vida terrestre não lhe foram suavizadas pela perspectiva de um feliz além-túmulo. Eclesiastes não foi escrito em aramaico, mas em hebraico; em vocabulário, linguagem e estilo esse hebraico apresenta certas semelhanças com os livros posteriores do Primeiro Testamento, o que propugnou a tese de que o hebraico de Eclesiastes tivesse fortemente sido influenciado pelo fenício.

Origem
Desconhece-se o autor ou redator do livro. No seu livro ele dá a palavra a uma figura, que chama de qõhelet e sobre a qual ele fala na terceira pessoa gramatical, distinguindo-o claramente de si mesmo. Embora o nome de Salomão não se encontre nenhuma vez explicitamente no livro, é claro que o qõhelet várias vezes se apresenta como se fosse este rei. Antigamente pensava-se, por isso, geralmente, que Salomão tivesse sido o autor. Certas queixas, porém, sobre a administração pública e a ordem social, várias alusões, embora um tanto obscuras, a acontecimentos posteriores e, sobretudo, o caráter da linguagem (aramaísmos; expressões e formas de um hebraico tardio) provam que Eclesiastes foi escrito numa época bem posterior a de Salomão. A maior parte dos exegetas julga que o livro foi escrito no século III aC. Perto do Mar Morto foram encontrados fragmentos, que a paleografia data em meados do século II aC.

Apesar de não apresentar um desenvolvimento lógico de pensamentos, o livro possui certa unidade. No entanto, já alguns Santos Padres atribuíram várias expressões que lhes pareciam fortes demais, a adversários, refutados pelo autor de Eclesiastes l. Outros viam em Eclesiastes um diálogo em que se formulam pontos de vista opostos. Muitos são de opinião que o livro foi interpolado posteriormente, atribuindo-se então a um determinado redator ou revisor todos os textos de um mesmo teor. Para Podechard, p. ex., todas as recomendações da sabedoria são acréscimos posteriores de algum devoto da Sabedoria, e todos os trechos em que se fala sobre a recompensa do bem e do mal teriam sido acrescentados por algum piedoso, que achava o livro muito materialista demais. De fato, procedendo assim, deixa-se para o autor original de Eclesiastes uma visão bem materialista e bem pessimista. Combinando, porém, todos os pensamentos de Eclesiastes, poderemos conceder que o livro, acentuando unilateralmente as decepções da vida terrestre e o caráter sombrio do além-túmulo, deixa uma impressão pessimista; do outro lado, porém, devemos dizer que Eclesiastes recomenda uma atitude religiosa, em dependência do Criador.

O autor quer ensinar a não exagerar em nada, a não pôr o último fim em nada que seja perecível, e a cumprir os deveres, impostos por Deus, gozando dos prazeres honestos da vida. É isso o que Deus quer, e o que é melhor para o homem. Não queira ele fazer ou saber coisa melhor, pois, para isso, deveria perscrutar os segredos de Deus, o que lhe é impossível. Dependência direta de algum exemplo babilônico ou da filosofia grega (Epicuro, Estoicismo, Heráclito) não se pode provar; as concepções do autor seguem de perto as do Primeiro Testamento, embora não seja impossível que ele se refira também a ideias desses gregos.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates