Essa oração Deus não responde. I

O fariseu e o publicano, autor não identificado
Texto baseado em sermão do rev. Garrison.

O fariseu ficou de pé e orou sozinho, assim: Ó Deus, eu te agradeço porque não sou avarento, nem desonesto, nem imoral como as outras pessoas. Lucas 18.11

Nós achamos que essa oração tem algo errado e tem mesmo, pois sequer pode ser chamada de oração. O fariseu não estava orando a Deus e sim a si mesmo. A tradução Revista e Atualizada de Almeida diz que ele orava de si para si mesmo. Embora a nossa primeira reação seja criticá-lo vamos ver que ele não orava muito diferente daquilo que nós também chamamos de oração.

É possível orarmos ou pensamos que estamos orando quando na realidade estamos apenas expressando o nosso preconceito. Podemos pensar que estamos orando a Deus quando na realidade estamos apenas divagando na nossa percepção da realidade. Se no fim é apenas um monólogo, então por que Jesus contou essa parábola? O que ele estava querendo nos dizer? Certamente ele não estava afirmando que todos os fariseus eram hipócritas e nem que todos os cobradores de impostos eram mal entendidos e mal julgados. Não podemos cair na tentação de classificar as pessoas em categorias, coisa que eu sempre me pego fazendo. Essa parábola não é tão simplista assim, pois nela Jesus troca os papéis que atribuímos a cada um para chamar a nossa atenção.

Ele trocou de propósito os papeis porque o resultado esperado era justamente o oposto. Ninguém iria pensar que o corrupto, o falso, o traidor da pátria iria para casa com a paz de Deus. Nós esperávamos que o homem piedoso, que jejuava, que obedecia a lei, que dava o dízimo recebesse essa bênção, mas não foi assim. Nesta parábola Jesus estava falando do quanto Deus valoriza a humildade. Sua intenção era a de alertar uns e consolar outros. Se alguém ainda acha que não espere até ler o último versículo, pois dele ninguém escapa: Porque quem se engrandece será humilhado e quem se humilha será engrandecido.


Dois homens foram orar: um fariseu, outro publicano. Os dois tinham muita coisa em comum. Os dois eram judeus, ambos queria falar com Deus, ambos queriam comunhão com Deus, mas aqui a semelhança termina, porque suas orações não poderiam estar mais distantes uma da outra. A oração do fariseu é uma ilustração da oração que Deus não pode responder e Jesus disse a razão: ele orava de si para si mesmo. Sua oração era restrita à sua própria autossuficiência. Não possuía nada de um coração contrito e humilde.


Essa oração incomoda porque nos é familiar demais. Essa é a oração que não chega nem ao teto do templo.  Este homem religioso, esse líder espiritual, esse homem bom em todo o sentido sustentava um modelo de orgulho e havia três motivos para isso. Vamos ver quais são.


Primeiramente, a oração dele era comparativa. Eu penso que ele deve ter ficado irado com o resultado final, pois não há nada de errado em ser grato por ser bom, por ser honesto e por ser piedoso. Ele tinha toda a razão em ser uma pessoa feliz e de ter uma vida útil. Não há nada de errado nisso. O que está errado é fazer comparações na sua oração de gratidão. Ele usou como parâmetro outro ser humano e não a perfeição de Deus. Uma comparação não somente odiosa, mas oportunista. Ele queria elevar a si mesmo rebaixando o outro. Nossa relação com Deus nunca está baseada no fato de alguém ser melhor que o outro. Nós somos, quando muito, aquilo que Deus nos tem chamado para ser. Nós não somos melhores que as outras pessoas por sermos cristãos, mas como é fácil enveredar na segurança defensiva e tortuosa do fariseu. Como nos regozijamos no fracasso e nas improbidades dos outros! Em comparação com eles, somos realmente os tais. Nós até pensamos que Deus está feliz porque nós somos melhores que os não cristão. E mais feliz ainda por pertencermos à Igreja tal, porque ela é a melhor de todas. Damos graças a Deus por isso.


Até mesmo as nossas melhores expressões de gratidão a Deus estão saturadas de orgulho. Nossa humildade implícita à fé cristã está adulterada pelo orgulho. Deus tem um parâmetro só. Ele não quer saber de você em relação ao muçulmano, ao espírita, ao ateu ou a qualquer outro. Há um parâmetro só para a comparação da sua vida, e o parâmetro é Jesus Cristo. 

De repente o nosso olhar de desdém e de superioridade não é mais aceitável. Quem entre nós está à altura de comparar a sua vida com a de Jesus Cristo? Absolutamente ninguém! Pois é exatamente esse autorreconhecimento que faz possível a oração ser aceita. (continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates