Jesus e a Multidão I

Ressurreição do filho da viúva de Naim, Tissot
Eu na multidão

Texto do rev. Paulo Schütz.

Quando criança, meu sonho era ser uma pessoa comum. Todo mundo queria ser diferente. Eu queria ser igual, talvez só para ser diferente. Aos poucos, fui descobrindo que não era fácil ser uma pessoa comum. As pessoas comuns estavam entregues a si mesmas. Para sobreviver, precisavam enfrentar uma batalha todos os dias. O importante é que elas sobreviviam todos os dias, por semanas, meses, anos. Então, todos os dias elas venciam uma batalha, por si mesmas. Eram verdadeiramente vitoriosas, verdadeiros heróis. Concluí que ser uma celebridade era fácil, o difícil era ser uma pessoa comum.
Também fui percebendo que as pessoas comuns eram diferentes, cada uma do seu jeito, frutos das distintas respostas que davam aos desafios do dia a dia, enquanto as celebridades estampavam sempre o mesmo sorriso, usavam roupas e sapatos das mesmas marcas, mesmo estilo de carro e assim por diante, seguiam sempre o mesmo padrão. Meus colegas que sonhavam em ser celebridades abdicavam da liberdade criativa com a qual Deus lhes agraciara, para prender-se a um modelo prefabricado.
Na verdade, as pessoas só se tornam iguais no meio de uma multidão. De longe, é impossível identificar quem está com um chapéu Prada ou de palha, se calça salto alto ou chinelo de dedo, nem se percebe se está mal cheiroso ou perfumado. Até as celebridades, quando descem do palco, são confundidas com as pessoas comuns.
Falamos de multidão quando um grande número de pessoas ocupa um determinado espaço, fisicamente bastante próximas umas das outras, durante algum tempo. Em alguns casos, ela assume uma personalidade própria que passa a definir suas atitudes, como se as personalidades dos indivíduos que a compõem se fundissem em uma só. É o caso dos protestos, passeatas, caminhadas, romarias que atuam com mais ou menos intensidade de tempos em tempos. Há quem despreze tais manifestações, por diferentes razões. Há os que lhe dão grande valor, alguns até exagerados, como atores políticos ou testemunhos de fé.
Jesus também esteve constantemente interagindo com a multidão, de tal maneira que podemos afirmar que ela foi personagem importante dos evangelhos, à semelhança de Pedro, Maria, José e outros indivíduos. Como estes, ela podia segui-lo por interesse, podia aclamá-lo como profeta, ou mesmo ofendê-lo. Hoje também, por um lado, ela pode protagonizar fatos históricos extremamente positivos, mas, por outro, assumir um comportamento bastante destrutivo. Como não possui RG nem endereço fixo, nem estatuto nem contrato social, nem mesmo responsável legal, as pessoas e instituições têm grande dificuldade para interagir com ela. Como resultado, não são poucas as personalidades que costumam se apresentar para receber os louros de suas conquistas positivas, e as forças de repressão ficam desorientadas, o que as induz a apelar para atos truculentos.
Nas próximas postagens desta série, vamos verificar se os diferentes comportamentos da multidão na bíblia podem nos ajudar a entender o que acontece nos dias de hoje.

Referências bíblicas:
Marcos 15.6-15; Lucas 19.37-40; João 6.23-27; 7.45-53.




0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates