O que é EXORTAR?

Paulo e Timóteo, autor não identificado
A exortação, do grego paraklesis, aparece apenas três vezes nas listas de carismas. Era, contudo, uma das funções essenciais dos Apóstolos, dos profetas e dos presbíteros, e tem suas raízes na vida religiosa do Primeiro Testamento, do judaísmo, e se prolonga na Igreja atual.

Primeiro Testamento
As testemunhas de Deus jamais se contentaram com expor friamente o desígnio divino da salvação: os discursos sacerdotais, tais como os de Dt 4 a 11, os discursos proféticos, como Is 1.16 e os discursos sapienciais, como os de Pv 1 a 9, se dirigem ao coração tanto quanto ao espírito dos ouvintes. Eles os convidam, os encorajam e os estimulam da parte de Deus a escutarem, a se converterem e a se voltarem para Deus. Nos tempos antigos, na época dos Macabeus mais precisamente, a exortação tem a mesma tendência e o mesmo apelo, pois não se prega sem exortar a uma fidelidade corajosa para com Javé e para com a sua Lei, ainda que sofrendo notadamente de severas perseguições, quando na hora da guerra santa tudo parece perdido e sem um retorno minimamente aceitável.

Segundo Testamento
No limiar do Segundo Testamento, João Batista continua firme nessa tradição, e com muitas exortações anunciava ele ao povo a boa-nova: Lc 3.18: Assim, pois, com muitas outras exortações anunciava o evangelho ao povo.

Jesus, por sua vez, não se contenta apenas em proclamar a mensagem do Reino que veio na sua pessoa e em revelar os seus mistérios. Ele chama os homens a nele entrarem, convidando-os instantemente a se arrependerem, a crerem no Evangelho, a seguirem-no e a guardarem a sua palavra. Assim também os Apóstolos conjuraram e exortaram as multidões a acolherem a sua mensagem e a se fazerem batizar: At 2.40 - Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa.

Nas comunidades, o profeta edifica, exorta e consola: I Co 14.3, como o devem fazer também Timóteo e Tito, discípulos de Paulo: II Tm 4.2 - Prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina. Isso não é mais do que um prolongamento de um dos atos essenciais do ministério apostólico, sobre o qual Paulo se explica claramente: É, diz ele, como se Deus exortasse através de nós.

Os escritos do Segundo Testamento encerram assim numerosas exortações; essa é a finalidade essencial da epístola aos Hebreus: He 13.22 - Rogo-vos ainda, irmãos, que suporteis a presente palavra de exortação; tanto mais quanto vos escrevi resumidamente; da primeira epístola de Pedro: I P 5.12: - Por meio de Silvano, que para vós outros é fiel irmão, como também o considero, vos escrevo resumidamente, exortando e testificando, de novo, que esta é a genuína graça de Deus; nela estai firmes. Os simples cristãos devem exortar-se mutuamente visando sempre, a edificação da igreja: II Co 13.11 - Quanto ao mais, irmãos, adeus! Aperfeiçoai-vos, consolai-vos, sede do mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz estará convosco.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates