É Deus refém dos cristãos?

Tribunal da Inquisição, Francisco de Goya
Texto do rev. Paulo Schütz. 
Hoje se combate a intolerância religiosa. Mas, será que o máximo que devemos fazer é tolerar as outras religiões? Será que não existe nelas nada que proceda do mesmo Deus que adoramos?

Já no primeiro capítulo de sua epístola aos romanos, o apóstolo Paulo declara que “os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas.” Seu propósito é demonstrar que os pagãos, que desconhecem a Lei dos judeus, nem por isso estão livres da “ira de Deus contra toda impiedade e perversão dos homens”. Por isso, prossegue descrevendo essas perversidades, resultantes da desobediência, mas encontramos no Antigo Testamento  referências a pagãos que, ao contrário, responderam positivamente com relação aos propósitos divinos, o que também confirma a declaração do apóstolo. Os casos mais conhecidos e mais ilustrativos são o de Raabe, uma prostituta da periferia de Jericó, e de Ciro, o poderoso imperador da Pérsia.

E mais, por ocasião da entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, “toda a multidão de discípulos passou, jubilosa, a louvar a Deus em alta voz, por todos os milagres que tinham visto”, pelo que alguns dos fariseus solicitaram ao mestre que os repreendesse. Agora coube a este assegurar que “se eles se calarem as próprias pedras clamarão”. Lucas narra esse episódio no capítulo dezenove de seu evangelho.

Essas palavras de Jesus soam de imediato como uma possibilidade muito remota ou apenas hipotética, mas elas são bem reais e não foram pronunciadas à toa. As igrejas, por exemplo, nos últimos anos, têm apoiado timidamente a promoção dos direitos da pessoa humana. Mas já foi pior; por muitos anos, ou séculos, elas se calaram e até sustentaram os regimes totalitários, o imperialismo em todas suas formas, defenderam e praticaram a tortura, negaram a humanidade dos negros e das mulheres, promovendo a escravidão, a segregação e a discriminação. É inegável que os avanços destas conquistas em diversos países deveram-se principalmente aos pensadores e movimentos humanistas e que os cristãos, apenas tardiamente e a duras penas vão aos poucos se rendendo a esses clamores e descobrindo que eles constituem o próprio cerne do ensino bíblico, tanto do antigo como do novo testamento.

Essa triste realidade reedita aquelas às quais se referem as palavras de Jesus nos capítulos cinco e sete do evangelho de João. Essas duas passagens devem ser lidas integralmente, porém, em resumo, o mestre repreende os judeus na primeira porque examinam as escrituras por julgar ter nelas a vida eterna, mas, mesmo assim não creem nos seus escritos, porque aceitam glória uns dos outros. Na segunda passagem, embora referindo-se a si mesmo, ele faz uma afirmação genérica: Se alguém quiser fazer a vontade de Deus, conhecerá a respeito da doutrina.

Infelizmente estamos habituados a pensar na vontade do Pai como algo misterioso inacessível, escondido. Mas, por que ele faria isso, se deseja que os homens a pratiquem? A Caim ele revelou simplesmente: “Se procederes bem, não é certo que serás aceito?” Penso que os humanistas apenas desejaram proceder bem, buscaram o que era certo, justo, bom, e descobriram a vontade de Deus, talvez só em parte, mas clamaram, antes que as pedras o fizessem. Já os cristãos mais influentes, interessados em sua própria glória, tornaram-se incapazes de crer nos escritos que alardeiam aos quatro ventos e, quando não repreendem os que clamam, simplesmente se calam. Carregam um baú cheio de preciosidades inestimáveis, mas desconhecem seu conteúdo, porque jogaram a chave fora.

Referências bíblicas:
Romanos 1.18-23; Josué 2.1-21; Isaías 45.1-7; Lucas 19.37-40; João 5.19-47; 7.14-18; Gênesis 4.1-7.
_________________________________

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates