Ambiguidade pastoral II

Os sete diáconos de Atos dos Apóstolos
O SENHOR Deus me ensina o que devo dizer a fim de animar os que estão cansados. Todas as manhãs, ele faz com que eu tenha vontade de ouvir com atenção o que ele vai dizer. O SENHOR Deus me deu entendimento, e eu não me revoltei, nem fugi dele. Isaías 50.4-5

O segundo tema da palestra que me abriu o entendimento foi quando a palavra leigo foi usada para designar os membros não clérigos da igreja. Não preciso consultar dicionário para entender que leigo é aquele que nada sabe sobre um determinado assunto e é também, ao lado da palavra laico, uma forma de declarar total descompromisso com uma instituição. Tenho na minha conta que qualquer pastor que chama os membros de sua congregação de leigos está assinando o seu próprio certificado de incapacidade, posto que uma das funções pastorais é a edificação através ensino das sagradas Escrituras, da História da Igreja e das doutrinas primordiais da fé e da denominação.

Sinto-me bem à vontade para falar desse assunto porque participo de uma comunidade onde os membros têm mais conhecimento teológico do que a maioria dos pastores televisivos. Nossos sermões são abertos a participações, questionamentos e perguntas aos presentes, sem restrição de credo, idade ou assiduidade aos cultos. Qualquer pessoa pode se manifestar, desde que salvaguarde, como sempre, o respeito e livre opinião do companheiro ao seu lado.

Tenho que dizer que é complicado, pois situações embaraçosas são constantemente criadas, mas é um culto que tem servido de referência, sempre que a Igreja Cristã de Ipanema é comparada a outras congregações evangélicas. Seguramente posso afirmar que esta não é uma igreja de leigos.

O terceiro tema que me chamou atenção foi quando o palestrante perguntou qual era a função do pastor. Respostas do tipo: administrador, conselheiro, pregador e guia espiritual na faltaram. Para mim basta a definição de Atos 6.1-6. Nela entendemos que o pastor é aquele que serve à mesa. Aquele distribui conforme a necessidade e a capacidade de cada um o alimento espiritual, que é a base do seu ministério. Em termos atuais o pastor seria um garçom com mais percepção e conhecimento do grupo a quem serve.

Logicamente que essa não é uma definição aceita pala maioria dos pastores, porque lhes tira da posição de destaque e de referência na comunidade para colocá-lo em um plano secundário, onde a sua participação tende a diminuir cada vez mais. Convém lembrar que a instituição dos diáconos e presbíteros foi em decorrência de uma situação incômoda que se instaurou na igreja primitiva. Era um cargo que se perpetuou devido ao aumento das situações incômodas que surgiram na igreja ao longo de sua história. Temos a convicção de que não constava dos planos de Jesus a formação de uma hierarquia dentro do evangelho. A proposta do sacerdócio universal dos crentes ainda é a única verdadeiramente válida. É nesse sentido que precisamos que trabalhar.

A ambiguidade pastoral é justamente essa: se aperfeiçoar, se aprimorar e se esmerar em uma tarefa cujo objetivo é providenciar os meios para a sua própria extinção. Várias são as promessas bíblicas de que o conhecimento de Deus se espalharia de igual modo sobre todos os viventes e não somente sobre a igreja. A igreja é apenas o embrião de um projeto muito maior e abrangente. A grande ambição de Deus é que todos sejam salvos e que venham ao conhecimento da verdade. Nesse projeto o pastor entrou por mero acaso, por causa da dureza dos nossos corações.

O mais preparado pastor do Primeiro Testamento, aquele cuja profecia abrangeu o maior período e as mais diversas situações teve a visão definitiva do que seria um mundo sem a necessidade de pastores, bispos, apóstolos ou coisa que o valha. Ele deixou registrada a visão que perpassou para a igreja através do escritor da Carta aos Hebreus. Disse Isaías: O lobo habitará com o cordeiro, e o leopardo se deitará junto ao cabrito; o bezerro, o leão novo e o animal cevado andarão juntos, e um pequenino os guiará. A vaca e a ursa pastarão juntas, e as suas crias juntas se deitarão; o leão comerá palha como o boi. A criança de peito brincará sobre a toca da áspide, e o já desmamado meterá a mão na cova do basilisco. Não se fará mal nem dano algum em todo o meu santo monte, porque a terra se encherá do conhecimento do SENHOR, como as águas cobrem o mar. Is 11.6-9

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates