O que é GRAÇA? I

Alegoria do Antigo e do Novo Testamento, Hans Holbein 1534
O sentido da palavra
A palavra que designa a graça, o grego charis, não é pura criação do cristianismo. Ela figura também no Primeiro Testamento. Mas foi o Segundo que lhe fixou o sentido e lhe deu toda a sua extensão. Utilizou-a precisamente para caracterizar o novo regime instaurado por Jesus Cristo, em oposição à economia antiga, já que esta era governada pela Lei, enquanto que o proposto por Jesus é pela graça.

A graça é o dom de Deus que contém todos os outros. É o dom radiante da generosidade do doador e que envolve com essa generosidade a criatura que o recebe. É por graça que Deus dá, e aquele que recebe seu dom encontra graça e complacência diante dele.

Por uma significativa coincidência, a palavra hebraica e a palavra grega que se traduzem em latim por gratia e em nossa língua por graça, prestam-se, uma e outra, para designar ao mesmo tempo a fonte do dom naquele que dá e o efeito do dom naquele que recebe. O dom supremo de Deus não é totalmente alheio aos intercâmbios pelos quais os homens se amam entre si, e que existem entre ele e nós parâmetros que revelam em nós a sua imagem. Enquanto o hebraico hen designa, em primeiro lugar, o favor, a benevolência gratuita dum personagem superior, e depois o testemunho concreto desse favor, demonstrado por aquele que dá e faz graça, obtida por aquele que recebe e encontra graça, enfim, o encanto que atrai o olhar e retém o favor, o grego charis, de modo um tanto inverso, designa em primeiro lugar o encanto irradiante da beleza, e depois a irradiação mais interior da bondade, e enfim os dons que atestam essa generosidade.

A graça na antiga Aliança
Revelada e dada por Deus em Jesus Cristo, a graça está presente no Primeiro Testamento, como uma promessa e como uma esperança. Sob diversas formas, sob nomes variados, mas sempre unindo o Deus que dá ao homem que recebe, a graça aparece por toda a parte no Primeiro Testamento. A lei­tura cristã do Primeiro Testamento, tal como São Paulo a propõe aos Gálatas, consiste em reconhecer, na antiga economia, os gestos e os traços do Deus da graça.

A graça em Deus
A própria Bíblia define assim: Ex 34.6 - Javé, Deus de ternura e de graça, lento para a ira e rico em misericórdia e fidelidade. A graça de Deus ao mesmo tempo é misericórdia inclinada sobre a miséria, hen), fidelidade generosa para com os seus, hesed, firmeza inabalável em seus compromissos, emet, ternura de coração e apego com todo o ser àqueles a quem, rahamim, e justiça inexaurível, sedeq, capaz de assegurar a todas as suas criaturas a plenitude de seus direitos e de satisfazer a todas as suas aspirações. Que Deus possa ser a paz e a alegria dos seus é efeito da graça. A graça de Deus pode, portanto, ser uma vida, mais rica e mais plena que todas as nossas experiências.

As manifestações da graça divina
A generosidade de Deus se derrama sobre toda a carne, sua graça não permanece um tesouro ciumentamente guardado. Mas como sinal luminoso dessa generosidade que é a eleição de Israel. Esta constitui uma iniciativa totalmente gratuita, que não se explica por qualquer mérito do povo escolhido, por qualquer valor prévio seu, nem pelo número, nem pela boa conduta, nem pelo vigor de sua mão, mas somente pelo amor ao povo e a fidelidade à palavra jurada aos vossos pais: Dt 7.7 - Não vos teve o SENHOR afeição, nem vos escolheu porque fôsseis mais numerosos do que qualquer povo, pois éreis o menor de todos os povos, mas porque o SENHOR vos amava e, para guardar o juramento que fizera a vossos pais, o SENHOR vos tirou com mão poderosa e vos resgatou da casa da servidão, do poder de Faraó, rei do Egito.

Do ponto de vista de Israel não há senão uma explicação, a graça do Deus fiel que guarda sua aliança e seu amor. O símbolo dessa graça é a terra que Deus dá a seu povo, país de torrentes e de fontes, de montanhas e vales irrigados pela chuva do céu, de cidades que não construíram, de casas que não encheram, poços que não escavaram.

Essa gratuidade não é desprovida de objetivo. Deus não está derramando às cegas riquezas com as quais o povo não saberia o que fazer. A eleição tem por objetivo a aliança; a graça que escolhe e que dá é um gesto de conhecimento, apega-se a quem escolhe, e espera dele uma resposta, o reconhecimento e o amor; essa é a pregação do Deuteronômio em 6.5,12; 10.12; 11.1 etc. A graça de Deus requer parceiros, requer um intercâmbio, uma comunhão. (continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates