Inferno: agora ou nunca

Dante e Virgílio no Inferno, William Bouguereau 
Por mais que eu fuja dos temas que a Bíblia aborda apenas superficialmente, mais pessoas aparecem para me questionar sobre eles. Sempre adotei o princípio de não me aprofundar em assuntos em que a Bíblia não se detém para explicá-los com clareza e as citações sobre inferno talvez esteja entre aquelas que mais apresentem lacunas na sua concepção. Penso que estamos diante de um caso clássico em que o texto bíblico não oferece elementos suficientes para elaboração de uma doutrina. Aliado a isso, também não sou daqueles que fazem uso de estatísticas bíblicas para saber quantas vezes tal palavra é nela citada, para sustentar argumentos. Porém, unicamente neste caso vou me permitir fazê-lo, pois não seria sintomático que a palavra inferno, na tradução para o português mais recente e mais bem elaborada da Bíblia, que é a Nova Tradução na Linguagem de Hoje, esteja contida apenas dezessete vezes?

Como o meu estado de inquietação hoje está mais elevado que o normal, por conta desta situação vou abordar esse inquietante assunto sem a menor pretensão de ser conclusivo, e para tanto peço a sua atenção apenas este esboço mal alinhavado de pensamentos.

Em primeiro lugar não devemos nos deixar impressionar pela grande quantidade de pessoas sempre prontas a tirar conclusões precipitadas sobre esse assunto. A Bíblia nos adverte sobre o juízo precipitado e impiedoso sob pena de sermos também julgados pelos mesmos critérios. Se ela fala assim sobre juízos simples, quanto mais não seria temerário julgar sobre temas tão complexos que escapam a nossa capacidade como o do misterioso inferno? Lembremo-nos de que uma besteira repetida por 500.000 pessoas continua sendo uma besteira.

Em segundo lugar a doutrina da condenação irrevogável já está sendo revista em vários casos. A Igreja Católica hoje vê com olhos bem mais complacentes as pessoas que cometem suicídio, e o fez após analisar vários casos em que padres lançaram mão deste recurso para escapar de insuportáveis torturas, como foi oi caso recente de padres brasileiros torturados pela ditadura militar de 64. Para fins de julgamento, o uso da palavra inferno é totalmente inconcebível nestes casos. Muitos deles devem sem considerados mártires, porque preferiram encarar a morte antes de renegarem a sua fé.

Quando se fala sobre a questão do suicídio, invariavelmente é citada a grande quantidade de pessoas que nos países nórdicos lançam mão deste lamentável recurso. Mas que autoridade temos nós brasileiros para julgarmos estas pessoas, que arbitrariamente tiram as suas vidas, quando vivemos em um país cuja mortalidade infantil atinge índices astronômicos; apenas os assassinatos que são registrados são em maior número que qualquer guerra civil ou revolução mostrada pela TV; o trânsito faz mais vítimas que qualquer epidemia que assola a humanidade? Ainda que trágico, é melhor deliberar sobre a própria vida, do que, sem a possibilidade de escolha, morrer de bala perdida.

Deixando de lado as especulações e voltando para o que se pode extrair da Bíblia, podemos observar que se traduziram por inferno duas palavras, cujos sentidos não querem especificar lugar de tormento eterno. A palavra SHEOL, descrita no Primeiro Testamento como Lugar dos Mortos, é um lugar de isolamento total, não há consciência, portanto, não poderá haver dor ou castigo. Foi exatamente a este lugar que Jesus desceu para pregar aos que dormiam, assim diz o nosso Credo Apostólico. A outra palavra é GUEHENA ou Vale da Carnificina. Lugar, que fica ao sul de Jerusalém onde se sacrificavam crianças (Jr 19.5-6). Nos tempos de Jesus não era mais que um depósito onde se jogava, além de lixo, animais mortos para serem incinerados. Um lugar onde o fogo ardia constantemente. Em ambos os casos não há referências à punição, e muito menos à punição eterna.

É bem certo também que, por mais intensidade e quantidade que a Bíblia nos apresente condenações sumárias, a pré disposição de Deus em perdoar e abençoar é sempre maior. Em um dos textos em que a condenação extrema é mais evidente, e justamente por isso um dos preferidos dos mestres nesta doutrina, diz que Deus visitaria a iniquidade dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração dos que o aborrecem. Em contra partida, há também palavras que foram colocadas na boca de Deus, que mais tarde seriam consideradas pelos profetas como não inspiradas, que a exemplo de Ezequiel assim profetizaram: A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniquidade do pai, nem o pai, a iniquidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este. E quando queriam ser mais objetivos assim diziam: O Senhor me disse o seguinte: Por que será que na terra de Israel o povo vive repetindo o ditado que diz: “Os pais comeram uvas verdes, mas foram os dentes dos filhos que ficaram ásperos”? Juro pela minha vida — diz o Senhor Deus — que vocês nunca mais repetirão esse ditado em Israel. Pois a vida de todas as pessoas pertence a mim. Tanto a vida do pai quanto a vida do filho são minhas. A pessoa que pecar é que morreráContudo, mesmo nesta retrógrada visão de Deus, ele se apresenta mais pronto a perdoar do que efetivamente a condenar, porque que se mostra propenso a abençoar até mil gerações daqueles que o amam e guardam os seus mandamentos. 

Houve um apóstolo que dizia que Jesus veio para salvar os pecadores dos quais ele era o maior. Este foi um homicida frio e um implacável perseguidor da igreja, ou seja, não podia haver alguém mais talhado para sofrer eternamente no inferno do que ele. Porém, Deus na sua infinita misericórdia foi resgatá-lo para si superando a barreira do seu enorme pecado.

A Navalha de Occan é o princípio que diz que: Se em tudo o mais forem idênticas as várias explicações de um fenômeno, a mais simples é a mais correta. Seria possível que qualquer postulado já escrito sobre a doutrina do inferno possa ter explicação mais simples do que esta: Onde aumentou o pecado, a graça de Deus amentou muito mais ainda?

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates