Os que sofrem por amor a Cristo

Dirce, a cristã por Henryk Siemieradzki
Porque a tua graça é melhor do que a vida; os meus lábios te louvam. Salmo 63.3 (ARA)

Em um tempo de caça aos cristãos em todos os cantos da Terra, o Salmo 63 poderia muito bem ser considerado uma eficaz oração de socorro. Poderia, caso ele não contivesse elementos que vão muito além dos padrões normais desse tipo de salmo. Orações de socorro e são súplicas pelo livramento do mal existem na maioria dos salmos, indistintamente de que mal esteja acometido o suplicante. Mas o Salmo 63 não generaliza o mal, mas define bem o tipo socorro que o salmista necessita. Não é um pedido de socorro para males que possam sobrevir a qualquer pessoa a qualquer hora, como uma doença ou uma aflição momentânea. Ele trata especificamente do mal da perseguição. Tudo nele nos faz perceber os sinais da aflição e da angústia de uma pessoa que, por proclamar a verdade de Deus, está sendo perseguida por um poderoso inimigo. Um mal do qual estranhamente ele não precisaria da ajuda de Deus para se ver livre, porque diferentemente de muitos outros males que não se poder evitar, este tipo de mal deixaria de atormentá-lo no exato instante em que ele negasse a Palavra de Deus.
Neste salmo, como em 80% de todo Primeiro Testamento, a palavra alma foi traduzida do termo hebraico NEFESH, que literalmente significa garganta. Os judeus daquela época não tinham o conceito de alma tal como temos hoje. Isso só viria bem mais tarde, através da influência grega. Seria complicado para o salmista expor os seus sentimentos dando à alma a imaterialidade. Aliás, ainda não temos um conceito definido de alma. O que é a alma? Para mim, Mario Quintana tem a melhor resposta: Alma é essa coisa que nos pergunta se a alma existe. Porém, mais do que da alma, este é um salmo do corpo, pois mostra como a toxina do desespero desce-lhe pela garganta e consegue espalhar-se por todo o seu organismo. Porém, ainda que a garganta tenha sede e a carne que desfaleça, nos olhos ainda permanece viva a esperança de ainda mais uma vez poder ver o brilho da glória de Deus. Por isso os seus lábios louvam e suas mãos se erguem.
E eu gostaria de em rápidas palavras comentar alguns aspectos marcantes da oração do poeta ba Biblia. A primeira delas é a que diz: a tua graça é melhor que a vida. Nós cantamos esse hino como um hino muito alegre. Muita gente que até bate palmas quando canta. Cantar é fácil. Encarnar a sua mensagem é algo totalmente diferente. Porque o salmo diz que é melhor receber a graça de Deus do que continuar vivo. Isso já é uma coisa dura quando somos nós quem dizemos. E quando quem diz é um filho ou uma filha? Quando são os nossos entes queridos que se colocam totalmente debaixo dos desígnios de Deus? Aí não desce redondo não, desce ressecando ainda mais o nefesh, seja a garganta ou a alma, porque o caminho que leva à vontade de Deus, na maioria das vezes, é duro de se trilhar. Este salmo sobreviveu à rígida seleção do cânon da Bíblia quando centenas de salmos parecidos ficaram de fora, porque ele nos coloca contra a parede, nos faz fazer uma terrível escolha: queremos a graça ou preferimos a vida? Este é o elemento que nos tira da comodidade, da letargia espiritual, principalmente nas horas em que achamos que tudo está bem, quando não está. O salmo deixa no ar a seguinte pergunta: Conseguiremos conviver confrontando a principal mensagem do evangelho, que conclama todos a ter uma vida abundante, com algo que se anuncia ser melhor e mais importante do que a própria vida?
Nesta hora devemos lembrar que a oração de Paulo quando buscava em Deus socorro contra um inimigo, teve como respostas apenas um sonoro não: A minha graça te basta!  É a esta consciência que nos deveria levar o referido salmo. (continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates