O que é ETERNIDADE?

De eternidade à eternidade, Lucas Cranach
Desde Platão entende-se por eternidade aquele modo de ser que exclui absolutamente toda mudança, e por isso não teve início e não terá fim, em oposição ao tempo; que consiste essencialmente em mudança e é caracterizado pela distinção entre o anterior e o posterior. O que é verdadeiramente eterno possui num “agora” estável, não fluente, toda a riqueza do seu ser, em realização plena e total.

É evidente que esse modo de ser é o privilégio exclusivo de Deus; até os anjos ainda estão sujeitos a mudança e não são, por conseguinte, eternos em sentido estrito.

No Primeiro Testamento.
Essa noção profunda, filosófica de eternidade é o fruto de especulações abstratas sobre a essência do tempo. Como tais especulações eram estranhas aos antigos israelitas, pensa-se facilmente que o Primeiro Testamento não tenha conhecido a ideia de eternidade, ou apenas conhecido vagamente. Isso não é totalmente exato. Numerosos textos provam que existia uma concepção certa do que é próprio à existência eterna de Deus. No entanto, o Primeiro Testamento pensava e formulava a eternidade de Deus em categorias que em si se referem ao tempo. A eternidade era concebida como um tempo sem fim. Isso prova que a única fonte para essas ideias era o conceito bem acertado que Israel tinha sobre Deus. Não havia uma palavra especial para eternidade; geralmente lançava-se mão do termo ‘õlam, que significa tanto o passado remoto como o futuro longínquo. Muilenburg relaciona esta palavra com o acádico ullãnu = longínquo; ‘õlãm seria, portanto, o tempo mais remoto do atual século.

Como cognome de Deus ‘õlãm e usado em Gn 21.33; ’êl ‘õlãm, o Deus de eternidade, forma semelhante a ’êl sadday e ’ê! ‘elyõn. Talvez essa denominação exprima a convicção de que o deus El existiu desde tempos antiquíssimos, isto é, desde sempre. Em textos ugaríticos o deus El, venerado em Ugarit, é chamado “pai dos anos”, sendo considerado como o deus mais velho, enquanto Baal é considerado como mais novo. Essa existência divina desde sempre exprime-se em Dan 7.9 pela imagem do “ancião”, em Jó 36.26 pela frase: “o número de seus anos é incalculável”. Entretanto, o ‘õlam de Gên 21.33 pode ser interpretado também no sentido de duração futura. É esse certamente o sentido da palavra no nome smá ‘lm “o sol eterno, inalterável”, na inscrição da porta da cidade de Kara-tepe. O fato de o sol repetir sem fim o seu percurso, sugeria a ideia de ele ser imperecível. A denominação ’el ‘olãm significaria então que o culto no santuário de Bersabé acentuava particularmente a existência imperecível, perdurável, de El. A mesma ideia da perpetuidade imperecível, que o uso do plural (pluralis intensttatis) toma ainda mais enfático, exprime-se em Is 26.4: “Javé é uma rocha eterna”.

Apesar da importância de Bersabé no antigo Israel, como alvo de peregrinações, foi só no Dêutero Isaías que esse cognome divino ficou mais bem definido. Esse autor não baseava mais a sua noção da eternidade de Deus nos ciclos sem fim repetidos da natureza, mas no fio da história, dirigida por Deus. Deus é um “Deus eterno” porque Ele é o criador da terra, “é o primeiro, e ainda estará com os últimos” ; “antes dele não houve Deus, e não haverá outros depois dele”. O autor sagrado compreende que essa duração eterna inclui imutabilidade. Não menos explícito é o Sl 90: a existência de Deus remonta a um passado, anterior à criação, e permanecerá sem alteração até o futuro mais longínquo. Essa duração sem principio e sem fim é bem sugerida pela expressão “de eternidade à eternidade” Sl 90.2; 103.17, que significa propriamente: “do passado mais remoto até o futuro mais longínquo”.

Cada vez melhor compreendia-se que a existência eterna é uma propriedade exclusivamente divina, onde Deus é chamado “o Eterno”. Aliás, o Dêutero Isaías já se impressionava com o contraste entre a eternidade da palavra de Deus, da sua ajuda, da sua salvação, justiça e misericórdia e a transitoriedade das criaturas. Em Is 60.19 Javé é chamado “luz eterna”, em sentido, naturalmente, mais profundo do que quando sol e lua são chamados assim.

No Segundo Testamento.
No ST encontramos a mesma doutrina que no PT, sem acréscimos importantes. Rom 16.26 usa a mesma expressão que Gn 21.33 e Is 40.28; Tg 1.17 insiste na imutabilidade de Deus. Para indicar a transcendência da existência eterna de Deus, I Cor 2.7 e Cl 1.26 falam em “antes dos séculos”, isto é, antes do início da duração inimaginável deste mundo. Nos últimos séculos antes de Cristo estava muito em voga o epíteto divino “rei dos séculos”, costume esse que se reflete ainda em I Tm 1.17 e que já se constata nos livros do PT (Sl 10,16; 29.10; 66.7; 93.1; 145.13; Jer 10.10 conforme os LXX). Em numerosos textos “eterno” é o oposto a “efêmero, mutável”; ser eterno, nesses textos, é o atributo do que é divino ou espiritual (II Co 4.18; II Ts 2.16; Hb 9.14); isso vale sobretudo da noção “vida eterna”: Jo 3,15 - Para que todo o que nele crê tenha a vida eterna.


Fonte:
Dicionário Enciclopédico da Bíblia, A Van Den Born - Vozes 1985



0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates