O que é ABSTINÊNCIA?

Jesus no deserto, Ivan Kramskoy
A espiritualidade do Primeiro Testamento dificilmente se concilia com uma doutrina de ascese ou abstinência. A terra com tudo o que ela contém é boa em virtude de sua origem e foi confiada ao homem com uma tarefa positiva (Gn 1).

Comer, beber, trabalhar, tudo isso é um dom de Deus, mesmo segundo o pessimista que é o Eclesiastes 2.24; 3.12; 5.17. Um termo técnico para abstinência não há nem no Primeiro nem no Segundo Testamentos. Quem se abstém de bens terrestres terá algum motivo especial:

Jejum, público ou privado:
Abstinência total ou parcial de comida e bebida por um determinado tempo, seja para acentuar a atitude interna de penitência, reconciliação ou luto (Lv 16.28ss: dia anual de expiação; Ne 9.1; Zc 7.3.5; Dn 10.2), seja para dar mais força a uma súplica, p. ex., em perigo de guerra (Jz 20.28; I Sm 7.6), nas secas (Jr 14.12), em perigo de morte (Es 4.16; Jn 3.5ss), seja por causa de experiências místicas (Ex 24.18; I Rs 19.8).

De algum modo formou-se também em Israel um catálogo de seres puros e impuros. É preciso abster-se do contato com seres e objetos impuros, para não incorrer numa impureza ritual. São declarados impuros, p. ex., as mulheres logo depois do parto (Lv 15), os leprosos (Lv 13), a carne de muitas espécies de animais (Lv 11. 2-47), os cadáveres (Nm 19.11ss; Lv 21.1. A pureza cultual, necessária como preparação para o encontro com a divindade, parece ter pertencido também certa a. sexual (Ex 19.5; I Sm 21.5ss; II Sm 11.11).

Uma prática muito antiga de ascese é o nazireato, vagamente formulado em Nm 6.1-21: alguém consagra-se a Javé assumindo uma tríplice obrigação: não cortar os cabelos, abstinência de bebidas alcoólicas, não tocar em cadáveres. A abstinência do vinho pode ser interpretada como recusa da cultura cananeia e, por conseguinte, como profissão de fé em Javé, o Deus de Israel. Isso fica mais claro ainda no caso extremo dos recabitas (Jr 35.5-8) que se abstêm de vinho e continuam vivendo em tendas: não a cultura urbana, mas a vida errante dos nômades exprime a verdadeira relação entre o israelita e Javé. Esse tema reencontra-se de alguma maneira no fato de os levitas não possuírem terra: sua única herança é Javé (Dt 10.9). Que os nazireus e recabitas davam em Israel um testemunho positivo, provam-no textos como Am 2.11; Jz 13,4; I Mac 349.  

Também o Segundo Testamento não contém em princípio nenhum dualismo na sua visão do homem e do mundo. A luz da obra salvífica de Cristo, no entanto, chegou-se a uma consciência mais clara da ambivalência do mundo: de um lado opera nele Satanás, “o príncipe deste mundo” (Jo 12.31), de outro lado também o Cristo “que tirou o pecado do mundo” (Jo 1.29). Por isso o cristão é exortado a abster-se do mundo enquanto esse está dominado por Satanás (I Jo 2.15ss). Em termos paulinos: morto com Cristo para o pecado, pelo batismo, o cristão não se deve colocar mais a serviço das obras de satanás, nem a serviço da lei, mas do Deus vivificador (Rm 6), não se comportando em consonância com este mundo (Rm 12,2), não vivendo segundo a lei da carne, mas do espírito (Rm 8.5ss).

Na morte com Cristo deve o cristão também afastar de si as regras puramente humanas sobre abstinência no comer e beber (Cl 2.16-23). Dão uma espécie de satisfação mas não aproximam o homem de Cristo. Melhor do que esta falsa ascese é a mortificação cristã (Cl 3.5ss), a erradicação do pecado. Ainda I Tm 4.1-5 adverte contra abusos gnósticos respeitante a abstinência no matrimônio e no uso de comida e bebida. “Deus os concedeu para que fossem tomados com ação de graças”.

Também Jesus já havia frisado que em matéria de a. o que importa não é o externo mas o interno (Mt 6.16ss; 15.11). Neste ponto se havia distanciado nitidamente do Batista (Mc 2.18; Mt 11,19). A abstinência que Jesus pede tem uma perspectiva positiva: pede a seus discípulos que se libertem de família, propriedades (Mc 10.17-31) e matrimônio (Mt 19.12) por causa do Reino de Deus, do evangelho (Mc 10.29) e de seu nome (Mt 19,29). Abandonar tudo equivale a seguir a Cristo (Mt 19.27). Em I Co 7 Paulo responde a cristãos que por determinados motivos julgam ter de levar uma vida de abstinência sexual ou mesmo de não se casarem. Aos casados ele aconselha que vivam como casados; a abstinência periódica pode ser boa, em determinadas circunstâncias, mas não por muito tempo. Aos não casados aconselha que continuem assim; como ele mesmo o faz. Pois o não-casado é mais diretamente disponível para as coisas do Senhor, e isso é importante porque a parusia está próxima.

Fonte: Dicionário Enciclopédico da Bíblia. A Van Den Born

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates