O que é ÍMPIO?

Grande dia da sua ira, John Martin em 1853
Em um vocabulário variado, tanto em hebraico quanto em grego, a Bíblia descreve uma atitude espiritual que é o contrário da piedade: o desprezo de Deus e da sua Lei, esta atitude acrescenta ainda uma nuance de hostilidade e de fanfarronice. Paulo anuncia a vinda do homem de impiedade por excelência, que nos últimos tempos se levantará acima de tudo e se apresentará como Deus; e acrescenta que o mistério da impiedade já está em ação no mundo. Na realidade, ele está em ação desde o começo da história, desde que Adão desprezou o mandamento de Deus.

Primeiro Testamento
Os ímpios diante de Deus.
A impiedade é um fato universal da humanidade pecadora: impiedade da geração do dilúvio; dos construtores de Babel; dos habitantes de Sodoma. Mas ela se afirma com clareza particular entre os povos pagãos inimigos de Israel: do faraó perseguidor aos cananeus idólatras; de Senaquerib o blasfemo à orgulhosa Babilônia; e à Desolação da Abominação, Antíoco Epifanes. Contudo, nem o próprio povo de Deus está dela isento: ímpios são tão os revoltosos do deserto quanto os habitantes infiéis da terra prometida; ímpia é a nação pecadora contra a qual Deus envia os pagãos que a castigarão. Apesar da conversão nacional, os salmistas e os sábios denunciarão ainda depois do exílio a existência da impiedade no povo fiel, e a crise macabeia colocará em primeiro plano certos judeus desviados.

Os ímpios e os justos.
Na literatura sapiencial o gênero humano aparece dividido em duas categorias: os justos e sábios, os ímpios e insensatos. Entre os dois há uma oposição e uma luta fratricida que já vai dando princípio ao drama das duas cidades. Iniciado nas origens com Caim e Abel, esse drama irá se concretizar e aumentar em todos os tempos. É nele que o ímpio dá livre curso aos seus instintos: astúcia, violência, sensualidade, soberba; que despreza a Deus; e que se lança contra os justos e contra os pobres. Seu êxito aparente, que por vezes pode durar um tempo, e que causa uma verdadeira angústia às almas religiosas, se dá, antes de tudo, como uma preocupação pela justiça, em que os perseguidos pedem a Deus a perdição desses extraviados malfeitores e que antegozam uma vingança, que aos olhos da modernidade causa estranheza e espanto: Sl 137.8-9 - Filha da Babilônia, que hás de ser destruída, feliz aquele que te der o pago do mal que nos fizeste. Feliz aquele que pegar teus filhos e esmagá-los contra a pedra.

A retribuição dos ímpios.
Os fiéis da Aliança sabem perfeitamente que os ímpios caminham para a ruína. Mas essa tranquila afirmação da retribuição, imaginada ainda numa perspectiva temporal, esbarra em fatos escandalosos. Há ímpios que prosperam como se não existisse a sanção divina. A escatologia profética realmente assegura que nos últimos tempos o Rei-Messias fará perecer os ímpios, e que Deus os exterminará por ocasião do seu juízo; mas enquanto aguarda este último dia, ela não especifica como é que os ímpios deverão expiar os seus crimes.

Mas é no plano individual que a questão deve ser resolvida para todos, e tem-se que esperar até uma data tardia para que ela se esclareça. Os livros dos Macabeus inferem que todos os ímpios hão de comparecer pessoalmente ao tribunal de Deus, e que não haverá para eles ressurreição para a vida. Por isso, o livro da Sabedoria pode fazer a descrição de seu castigo final depois da morte. Essa atestação solene é a fonte de uma reflexão salutar. Com efeito, Deus não quer a morte do ímpio, mas que se converta e viva: Ez 33.11 - Dize-lhes: Tão certo como eu vivo, diz o SENHOR Deus, não tenho prazer na morte do perverso, mas em que o perverso se converta do seu caminho e viva. Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que haveis de morrer, ó casa de Israel? (continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates