Com Deus não tem barganha

Pedro, João e Simão, o mago, Avanzino Nucci
Se eu quero que ele permaneça até que eu venha,
que te importa?
Quanto a ti, segue-me.
 João 21.22

Texto do reverendo Paulo Schütz extraído do blog http://plebemaldita.blogspot.com.br

Alguma coisa ele fez! Eu não mereço! Não é justo! Exclamações desse tipo ouvimos inúmeras vezes todos os dias. As pessoas pensam que as boas ações devem sempre ser compensadas com alegrias, e as más, sempre com aborrecimentos, apesar de constatarem na vida diária que as coisas nem sempre funcionam dessa maneira. Não é um problema dos tempos atuais, desde os primórdios os homens se esforçam por solucioná-lo.

O livro bíblico de Jó faz coro com sábios de todo Oriente antigo na busca de uma resposta. O protagonista é justo tanto aos seus próprios olhos quanto aos olhos de Deus, de modo que não consegue compreender a situação em que se encontra, que lamenta profundamente. Os amigos que vêm para ajudá-lo já têm a resposta pronta: Alguma você aprontou! E procuram convencê-lo por meio de longos e elaborados discursos. Finalmente, Deus toma a palavra. A quem dá razão? Ira-se contra os amigos, porque não disseste de mim o que era reto. Não sem antes dar uma verdadeira espinafrada em Jó, como que para deixar claro que toda a justiça que alegara ter praticado não o tornava merecedor do menor favor divino: Quem é esse que escurece os meus desígnios com palavras sem conhecimento? Se decidisse restituir a fortuna de seu servo, como o fez, seria única e exclusivamente fruto de sua vontade livre e soberana.

Os evangelhos não conseguem dissimular certa ciumeira que havia entre os discípulos com relação à proximidade do mestre com João, o qual chega mesmo a referir-se a si próprio como aquele que Jesus amava. Foi o que levou Pedro a perguntar a este, referindo-se àquele, E quanto a este?, imediatamente após o mestre sugerir com que tipo de morte Pedro haveria de glorificar a Deus. Jesus limitou-se a responder: Se eu quero que ele permaneça até que eu venha, que te importa? Quanto a ti, segue-me.

É difícil aceitar. Parece injusto, aos homens. Mas a justiça de Deus consiste exatamente em distribuir gratuitamente seus favores e ela se manifesta entre nós sempre que alguém serve sem esperar retorno e quem recebe não é constrangido a pagar por isso. Sem barganha: já não haverá mais luto, nem pranto, nem dor, pois as primeiras coisas passaram.
Com Deus não tem barganha.

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates