Fora daqui

Show-culto é louvor a quem?
E terás por contaminados a prata que recobre as imagens esculpidas e o ouro que reveste as tuas imagens de fundição; lançá-las-ás fora como coisa imunda e a cada uma dirás: Fora daqui! Isaías 30.22 ARA

A ideia de que o serviço prestado a Deus deve ser exclusivo e a de que o zelo que ele exige pelo uso seu nome é inconteste são recorrentes em toda a Bíblia. Por conta disso é que a conscientização de que existem diferenças significativas entre santo e profano e entre as coisas de uso comum e as consagradas devem estar sempre presentes em quaisquer atitudes e decisões do seu povo. 

Muito embora eu pense que coisa alguma é impura por natureza, penso também que o que estabelece tal diferenciação é o fim para o qual ela se destina. Esse sim pode torná-la própria ou imprópria, pura ou impura para determinadas finalidades.

Fornecer orientação para que estabeleçamos essa diferença é mais ou menos a intenção de Isaías no texto que serve de base para a nossa meditação de hoje. Procurem observar que o profeta está relativizando bens materiais de altíssimo valor, tais como são a prata e o ouro. Ele afirma textualmente que o ouro e a prata que revestiram imagens ou que serviram de matéria prima para fundição dos ídolos, não têm serventia alguma para o seu povo, a não ser para serem jogados fora. Dá para imaginar radicalidade semelhante? Passa pela cabeça de alguém que Deus daria uma ordem expressa para que se jogasse outro e prata no lixo?

Eu estou pensando sobre essas coisas desde quando um amigo falou sobre o seu posicionamento diante das composições dos cantores, porque não dizer artistas gospel, que ditam praticamente tudo o que é cantado nas igrejas evangélicas de hoje. Esse amigo disse, na sua sinceridade, que não se importava com a vida dos tais, pois sequer sabia os seus nomes, mas que cantava suas músicas com coração voltado para Deus. Se não foi exatamente isso o que ele disse, a ideia básica não foge muito do contexto e eu tenho plena certeza de que ele não está sozinho nessa convicção, muito embora a propaganda esteja sendo feita do mesmo jeito. E é aí que eu perguntaria: a obra das mãos de uma pessoa que não está visivelmente comprometida com a mensagem central do evangelho e que faz uso apenas das partes convenientes desse evangelho e o faz para enriquecimento e promoção pessoal não se encaixaria de alguma forma na determinação de Deus ditada ao profeta Isaías? Não estou falando de ouro nem prata e sim de simples composições musicais.

Esse é só um aspecto. Existem outros. Já tivemos oportunidade no passado e falar sobre o fogo estranho que Nadabe e Abiú, filhos de Arão, levaram à presença de Deus e as consequências desse seu ato. O outro aspecto é exatamente esse: Deus aceitaria de bom grado a oferta de algo que não foi elaborado com o propósito exclusivo de fazer com que seu povo exaltasse e engrandecesse o seu nome? Não é particularmente minha a conclusão de que a maioria desses superstars está desvinculada da intenção última da adoração que, em uma análise imediata, deveria ser comunitária, sincera e sem outro fim qualquer que não fosse a exaltação do nome que está acima de todo nome. Bastaria ver o patrimônio deles e o cachê que cobram para adorar a Deus, que segundo eles querem nos fazer crer, é em espírito e em verdade.

Mas existe um terceiro aspecto e esse é o mais trágico de todos. Os louvores que visam lucro estão tomando o lugar das manifestações sinceras que o povo de Deus tem para lhe oferecer. Estão inibindo também a criatividade dos autores não profissionais da igreja, a quem Deus, por séculos, tem providenciado o dom da composição musical. Pelo bem do seu povo, Deus está mandando que joguemos fora, agora, esse ouro e essa prata contaminados pela ganância e pela ostentação de quem não tem submissão à sua palavra. Desta forma está nos convocando para que valorizemos a prata da casa e o ouro puro, refinado pela conversão. Não tenhamos medo de os rejeitarmos, pois tenho a certeza de que Deus tem reservado para si sete mil que não dobraram os seus joelhos diante de Baal. 

Muita gente vai nos considerar completamente doidos, quando nos virem jogando no lixo aquilo que há bem pouco tempo era para ouro e prata. Mas, como dizia a minha tia Hermínia: Deus tem mais para dar do que o Diabo pra carregar. Pois é, Deus tem muito mais para colocar no lugar. Isaías também prenuncia as bênçãos que virão em decorrência dessa rejeição: Então, o Senhor te dará chuva sobre a tua semente, com que semeares a terra, como também pão como produto da terra, o qual será farto e nutritivo; naquele dia, o teu gado pastará em lugares espaçosos. Isaías 30.23 Ara

Quer seja por obediência ao mandamento divino, quer seja pelo respeito devido aos que foram dotados por Deus com esse dom, quer seja pela exclusividade que Deus nos exige no que lhe é prestado como serviço ou pelo zelo pelo uso do seu nome, já está passando muito da hora de dizermos para os artistas que não louvam outra coisa, senão o próprio ventre: Peguem seus discos de ouro, seus milhões de CDs vendidos, suas milhares de apresentações, todas as suas composições e FORA DAQUI!

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates