Pensando certo II

Cidade de Colossos
Os cristãos de Colossos criam que Deus tinha vindo ao mundo na pessoa de Jesus Cristo para amar, para perdoar e reconciliar o mundo. Por isso a encarnação de Jesus Cristo virou o centro do conflito. Os gnósticos tinham um pensamento bem elaborado. Eles começaram com uma suposição e elevaram o seu raciocínio para uma verdade absoluta. Começando com a suposição de que a matéria é má, concluíram que a carne humana é má. Se Jesus fosse realmente Filho de Deus ele não poderia ter vivido na carne, como os cristãos anunciavam. Quando lemos no Credo de Niceia: Gerado, não criado, de uma só substância com o Pai, vemos o quanto os teólogos da época foram precisos em combater a ideia de que Jesus não encarnado. Eles argumentavam que Jesus não tinha morrido na cruz e muito menos ressuscitado porque ele nunca teria vivido num corpo humano mau como o nosso.

Os cristãos de Colossos estavam sendo ameaçados pela sua fé no que dizia o verdadeiro evangelho. Paulo escreve para consolá-los em suas tribulações afirmando que eles estavam debaixo da graça de Deus, que Deus não os tinha abandonado e o que Deus em Cristo havia feito por eles. Paulo queria transmitir-lhes o que o evangelho tinha a dizer sobre as questões do bem e do mal em seus dias. O tema que ele apresenta é esse: A resposta de Deus ao mal do mundo é Jesus Cristo. Deus está levantado um novo povo no meio da raça humana: a igreja. A igreja que deve ser a prova definitiva da intenção de Deus para com todos os seres humanos.

Que a graça e a paz de Deus, o nosso Pai, estejam com vocês! (Cl 1.1) Graça é palavra chave para nos explicar a natureza e a atitude de Deus para conosco. Paz é o que acontece quando aceitamos e recebemos o seu amor por meio de seu Filho. Vamos analisar essas palavras.

Graça é aquilo que nos é dado livremente em amor. Cristo e a sua cruz testificam esse amor não merecido de Deus. Nunca poderemos conquistá-lo, nunca poderemos merecê-lo e nunca poderemos ser suficientemente bons para sermos dignos dele. Graça é o amor não determinado por nós. Não há nada que possamos ter e não há nada que possamos fazer para obrigarmos Deus a nos amar. Deus nos ama porque ele é amor.

Se a vida cristã não começa pela experiência com a graça de Deus ela não tem início. Porém, se ela começa com essa experiência, o seu crescimento e amplitude não têm fim. A graça desfaz o orgulho da nossa autossuficiência e nos surpreende com o reconhecimento de que somos amados por Deus apesar de tudo que temos sido e de tudo que temos feito. Paulo queria que o povo de Colossos soubesse disso. Deus não estava longe. Deus não estava indiferente à sua criação. Deus não tinha abandonado o mundo à sua sorte.

Graça é a instigação da encarnação. Graça absoluta foi revelada na vida, paixão e morte de Jesus Cristo. A graça estava acessível ao povo de Colossos para enfrentar as frustrações, conflitos, tribulações e desafios lançados pela tirania gnóstica. A vitória de Cristo sobre as forças do mal era a vitória deles também. Eles não eram mais as vítimas desamparadas de poderes além do controle. Todos esses poderes estavam, em Cristo, debaixo do controle de Deus. (continua)

0 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates