Homenagem às mães anônimas

A descida da cruz, Tintoretto
Pois, antes que ele aprenda a dizer “papai” ou “mamãe”, o rei da Assíria levará embora todas as riquezas de Damasco e de Samaria. Isaías 8.4

Parece que em quase todos os idiomas, mesmo os que já estão em desuso, as palavras para papai e mamãe são as mais simples do vocabulário. O antigo hebraico não fugiu a essa regra, pois designou os radicais am e ab, para significar mamãe e papai, para que mesmo as crianças mais novas conseguissem pronunciá-los. As mães, muito mais do que os pais, têm sido citadas como as grandes pessoas por trás dos grandes homens da História. Muitas delas lhes serviram de referência por toda a vida, principalmente nas horas mais importantes. Quando no auge de uma crise moral e financeira da França Napoleão perguntou à Henriette Campan do que a nação francesa mais precisava, ele respondeu: Esse povo precisa de mães.

Já ouvimos dizer também que mãe é uma coisa tão boa que até Deus quis ter uma. Então, diante de tanto consenso eu fico a me perguntar: Por que os escritores bíblicos omitiram os nomes de mães tão importantes na história da salvação?

A mãe de Jeremias deveria ser o exemplo mais clássico desse absurdo, pois foi ela quem carregou um profeta chamado por Deus, quando esse ainda estava em seu ventre. Juntamente com ele também carregou todo o drama que seguiu o seu filho numa época em que ser chamado para o ministério profético equivaleria a receber prematuramente seu atestado de óbito: Jeremias 1.5 - Antes que eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e, antes que saísses da madre, te consagrei, e te constituí profeta às nações. É inconcebível que um profeta do quilate de Jeremias seja conhecido apenas por ser filho de um sacerdote de uma cidadezinha bem mal falada. Essa, sem qualquer sombra de dúvida, foi uma das grandes mulheres da Bíblia. Uma mulher que muitas mulheres depois dela ostentariam o seu nome com orgulho e distinção, mas isso, infelizmente nos foi negado.

Mas essa inexplicável omissão ainda não é a maior injustiça que os escritores da Bíblia primaram em executar. Tenho pra mim que omitir o nome de uma mãe não é tão grave quanto não citar sequer a sua existência. Pois assim fizeram com a criança que entregou seu lanche, cinco pães e dois peixes, a Jesus para que ele os multiplicasse, protagonizando, senão o maior, pelo menos o seu mais testemunhado milagre.

Logicamente que há uma mãe por trás dessa criança. Sabemos que não é um pai ou outra pessoa qualquer, justamente pela quantidade de alimento que aquela criança carregava, pois um pão de cevada seria suficiente para a refeição de uma família de quatro pessoas. Isso é uma coisa que somente uma mãe se dispõe a fazê-lo.

Logicamente também que aquela não era uma criança qualquer. Ela foi ensinada a andar atrás dos seus objetivos. O texto diz que Jesus atravessou a mar, e a criança foi atrás; que subiu a montanha, e a criança foi atrás. Ou seja, uma criança preparada fisicamente para conseguir acompanhar os adultos. Ela também foi ensinada a dividir, coisa que criança dificilmente faz, pois já nasce de mão fechada. Mas essa não, não somente dividiu seu alimento, como também o fez voluntariamente, sem ser solicitada.

Mas o principal ensinamento que recebeu de sua mãe foi o de saber fazer a escolha certa. Aquele menino ou menina, o texto não conclui, escolheu seguir, confiar e entregar tudo o que tinha nas mãos da única pessoa que valorizou a sua oferta. Os outros simplesmente a ridicularizaram: O que é isso para tanta gente?

O nosso herói teve mãe, mas nem dele nem dela sabemos os seus nomes. Talvez fosse baseado justamente nesse anonimato que Anna Jarvis, a mentora da justa celebração desse dia, mesmo que a sua mãe já estivesse morta, resolvesse homenagear todas as mães do mundo, para que essa data fosse nada mais, nada menos do que o reconhecimento das pessoas mais fantásticas que Deus colocou sobre a face da Terra. Esse também é o grande motivo que aqueles tentam fazer com que Deus lhes fique mais perto, em vez de tratá-lo como Pai, preferem chamá-lo de Mãe. 


2 comentários. Faça o seu:

 
Copyright 2012 Amós Boiadeiro. Powered by Blogger
Blogger by Blogger Templates and Images by Wpthemescreator
Personal Blogger Templates